Home / 4/5 / Opinião: A Paciente Silenciosa | Alex Michaelides

Opinião: A Paciente Silenciosa | Alex Michaelides

Autor: Alex Michaelides
Título Original:
The Silent Patient (2019)
Editora: Editorial Presença
Páginas: 336
ISBN: 9789722363822
Tradutor: Marta Mendonça
Origem: Comprado
Comprar: Wook | Bertrand (links afiliados)

Sinopse: Alicia Berenson é uma pintora britânica, jovem e famosa, que vive numa casa sublime nos arredores de Londres com o marido, Gabriel, um conhecido fotógrafo de moda. A vida de ambos parece perfeita. Mas uma noite, quando ele chega a casa depois de uma sessão fotográfica, Alicia mata-o com cinco tiros. E nunca mais diz uma palavra. A recusa de Alicia em falar e dar qualquer tipo de explicação sobre a tragédia, transforma-se num mistério que prende a imaginação da opinião pública, e confere a Alicia uma notoriedade sem precedentes. O preço dos seus trabalhos artísticos dispara e ela, a paciente silenciosa, é alvo de um mediatismo implacável. Para evitar isso, é conduzida para uma unidade forense de alta segurança no norte de Londres. Theo Faber, um psicoterapeuta criminal, espera há muito pela oportunidade de trabalhar com Alicia. A sua determinação em convencê-la a falar e a desvendar as razões misteriosas que motivaram o assassínio do marido leva-o por um caminho tortuoso, numa busca pela verdade que ameaça consumi-lo…

Opinião: Este é um thriller que tem vindo a ser muito falado, por cá e lá fora, e não consegui resistir a comprá-lo e a lê-lo durante as minhas férias. A primeira frase do livro, após o prólogo, é brutal: “A Alicia Berenson tinha trinta e três anos quando matou o marido“. Quem nos conta isto é o psicoterapeuta criminal Theo Faber, que teve conhecimento do caso pelo seu mediatismo – tanto Alicia como o marido eram artistas famosos, ela pintora e ele fotógrafo. Seis anos volvidos e Alicia encontra-se internada numa unidade forense de alta segurança, não tendo proferido qualquer palavra desde que matou o marido.

O fascínio de Theo por este caso e a ideia de poderia ser ele a conseguir finalmente fazer Alicia falar levam-no a candidatar-se a uma posição na tal unidade, o que acaba por conseguir. É assim que começa a interação entre os dois e a grande questão é se ele conseguirá com que ela fale e, se assim for, o que terá ela para dizer que não se saiba já. No meio da narrativa de Theo, vamos também tendo acesso a algumas entradas do diário de Alicia, escritas antes da morte do marido, que ajudam o leitor a ir percebendo o que levou a todos os acontecimentos que já conhecemos.

Pelo meio, vamos também tendo acesso à história de Theo, que é tudo menos descomplicada. Apesar da sua profissão, também ele tem problemas de saúde mental, tendo sido acompanhado por uma psicoterapeuta durante vários anos. A relação com os pais e, mais tarde, com a esposa, não ajudam a que Theo seja propriamente a pessoa mais equilibrada do mundo, o que só faz com que o leitor questione a propriedade que ele terá para tratar os seus doentes e, em especial, Alicia.

Já sabemos que os thrillers vivem das reviravoltas que os autores dão aos seus enredos; o impacto que estas têm nos leitores é inversamente proporcional à quantidade de thrillers já lidos. Acho sinceramente que a reviravolta final é muito boa, mas porque já tinha lido pelo menos um livro com um artifício semelhante, a resolução foi algo que me ocorreu durante a leitura, sendo que por isso o impacto final foi menor. Contudo, foi um livro que praticamente não consegui pousar e que acho que irá ser bastante apreciado por quem começou recentemente a ler thrillers psicológicos.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.