Home / 4/5 / Opinião: O Silêncio da Cidade Branca | Eva García Sáenz de Urturi

Opinião: O Silêncio da Cidade Branca | Eva García Sáenz de Urturi

Autor: Eva García Sáenz de Urturi
Título Original:
El silencio de la ciudad blanca (2016)
Editora: Lua de Papel
Páginas: 485
ISBN: 9789892342603
Tradutor: Tânia Sarmento
Origem: Empréstimo
Comprar: Wook | Bertrand (links afiliados)

Sinopse: Vinte anos depois, a cidade de Vitoria volta a ser assolada por uma série de assassinatos macabros. São em tudo iguais aos crimes do passado. Mas há um pequeno senão: o suposto assassino está preso. Na altura a imprensa chamou-lhes Os Crimes do Dólmen. Porque foi num dólmen que encontraram as primeiras vítimas: dois recém-nascidos unidos num abraço macabro. Seguiram-se várias outras mortes, encenadas com requinte em monumentos históricos. Tinham sido crimes quase perfeitos. Mas o assassino – um arqueólogo brilhante – acabou por ser apanhado, pelo seu não menos brilhante irmão gémeo, então inspetor da polícia. Caso encerrado. Ou talvez não. na altura Unai era adolescente. Vivia obcecado com os crimes, mas aterrorizado com a perspetiva de ser a próxima vítima. Passados vinte anos, tornou-se um profiler implacável, especializado em assassinos em série. e quando o chamam à Catedral Velha de Vitoria, um calafrio percorre-o. nos claustros encontra dois cadáveres e a mesma arrepiante encenação: nus, abraçados, com abelhas vivas na garganta… Mas pistas, nenhumas. Unai, dá início à caçada. e as suas investigações levam-no a mergulhar a fundo na história da cidade, nos seus antiquíssimos mitos, lendas, segredos. Thriller arrepiante, que vendeu meio milhão de exemplares em Espanha, envolve o leitor numa cidade fascinante, Vitoria, que já tinha servido de cenário e inspiração a Os Pilares da Terra, de Ken Follet.

Opinião: O Silêncio da Cidade Branca é o primeiro volume da trilogia “Cidade Branca”, em que as histórias se passam numa das principais cidades do País Basco – Vitoria. Logo no início do enredo, ficamos a saber que o principal detetive encarregado de investigar o caso policial que nos vai ser relatado foi alvejado pelo assassino e que muito dificilmente sobreviverá. É pela voz do próprio que vamos recuar no tempo e acompanhar os acontecimentos que levaram àquele desenlace.

Há 20 anos, um conjunto de macabros assassinatos em série culminou com a prisão de um famoso arqueólogo. Unai, bastante jovem, acompanhou o caso de perto, tendo-se mesmo tornado uma obsessão e um dos principais motivos que o levou a juntar-se às forças policiais. Mas se o assassino continua preso, como explicar o aparecimento de dois cadáveres na Catedral Velha de Vitoria, em que todas as pistas revelam o mesmo modus operandi dos crimes de há duas décadas? Inicia-se aqui uma corrida contra o tempo, porque Unai sabe que os crimes vão acontecendo em sequência e de uma forma lógica; é, por isso, fundamental perceber se o culpado de há 20 anos era mesmo culpado e se poderá contribuir de algum modo para a resolução deste difícil caso.

A partir daqui, o enredo segue uma estrutura bastante tradicional no que respeita aos romances policiais, com avanços e recuos na investigação e um desenlace que surpreende pela sua imprevisibilidade. A adicionar a isto – e este talvez tenha sido o aspeto que mais me agradou neste livro – a autora faz-se valer do seu conhecimento pessoal para nos fazer uma autêntica visita guiada à cidade de Vitoria, da qual penso que nunca tinha ouvido falar e que agora fiquei com enorme vontade de conhecer devido à sua riqueza história.

O Silêncio da Cidade Branca cumpre bem os objetivos a que se propõe: trata-se de um policial bem documentado, que consegue entreter e surpreender o leitor e que, não tendo sido o melhor livro que já li dentro do género, se destaca pela frescura na forma como apresenta a cidade de Vitoria, tornando-se ela própria uma personagem do livro. Aguardo que os próximos volumes da trilogia sejam igualmente publicados por cá.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.