Home / 3/5 / Opinião: A Medida do Homem | Marco Malvaldi

Opinião: A Medida do Homem | Marco Malvaldi

Autor: Marco Malvaldi
Título Original:
La misura dell’uomo (2018)
Editora: Suma de Letras
Páginas: 272
ISBN: 9789896657956
Tradutor: Marta Pinho
Origem: Recebido para crítica
Comprar: Wook | Bertrand (links afiliados)

Sinopse: Um caderno secreto. Uma morte por explicar. Um génio que, depois de cinco séculos, joga com a nossa inteligência e enche-nos de admiração. Outubro de 1493. Florença continua de luto pela morte de Lorenzo, o Magnífico. Os navios de Colombo só recentemente chegaram ao Novo Mundo. Enquanto isso, Milão experimenta um renascimento sob a liderança de Ludovico, o Mouro. Aqueles que vagueiam pelos pátios do Castelo de Milão ou ao longo dos canais Navigli encontram, frequentemente, um estranho homem, vestido com uma longa túnica rosa. Tem uma expressão calma, como alguém que está perdido nos seus próprios pensamentos. O homem, cujo nome é LEONARDO DA VINCI, vive por cima da sua oficina, com a mãe e um rapaz travesso que adora; não come carne, escreve da direita para a esquerda e luta para que os seus empregadores lhe paguem um salário. A sua fama estende-se para além dos Alpes, até à corte francesa de Carlos VIII, cujos enviados receberam uma missão secreta que diz respeito ao próprio Leonardo. Há quem diga que o inventor italiano mantém os seus desenhos mais ousados — incluindo talvez o projeto de um cavaleiro mecânico invencível — num caderno que traz escondido sob as vestes, perto do coração. Quando um homem é encontrado morto no pátio do castelo, o Mouro pede ajuda a Da Vinci. Embora o cadáver não mostre sinais de violência, a morte é altamente suspeita: rumores de uma praga ou explicações supersticiosas precisam ser refutados rapidamente. Leonardo não está em posição de recusar o pedido do seu mestre para investigar.

Opinião: Assinalaram-se no passado dia 2 de maio de 2019 os 500 anos sobre a morte de um dos maiores génios da Humanidade: Leonardo da Vinci. Esta efeméride foi naturalmente marcada por alguns lançamentos no mercado editorial, entre eles este A Medida do Homem e também Leonardo Da Vinci (biografia de Walter Isaacson).

Este romance histórico com elementos de thriller, escrito pelo italiano Marco Malvaldi, destaca-se desde o início pela originalidade do tom da narrativa. Recuamos então ao final do século XV, em Milão, onde Ludovico Sforza, o Mouro, é o senhor todo poderoso da corte milanesa. Leonardo encontrava-se na cidade à época e a sua fama já era mais do que evidente, ainda mais pelos trabalhos e a proteção que Ludovico lhe dava. O livro inicia-se com a vasta Dramatis Personæ, à qual recorri várias vezes ao longo da leitura pela proliferação de nomes, e logo aqui ficamos com uma ideia daquilo que se seguirá, pelo toque humorístico com que vai descrevendo as personagens que inclui na sua história.

A intriga política é abordada de forma algo detalhada, com destaque para a aliança de Milão com o rei francês Carlos VIII contra o Rei de Nápoles. Acreditando que Leonardo poderia ter na manga uma arma de ataque inédita e invencível, o inventor é apanhado no meio destas maquinações, e o enredo adensa-se quando é descoberto o corpo de um homem morto no castelo, sendo Leonardo provavelmente o homem mais capaz de seguir as pistas e descobrir quem o matou e por que motivo o fez.

Como já disse acima, agradou-me imenso o tom da narrativa, pela frescura e originalidade. Já li imensos romances históricos, mas foi a primeira vez que me deparei com um autor que fala especificamente para o leitor do século XXI, fazendo muitas vezes a ponte entre o que eram os costumes da época com aquilo que acontece nos dias que correm (a história das galinhas em casa, por exemplo, é deliciosa). Há que destacar igualmente a pesquisa histórica feita pelo autor, que consegue, em menos de 300 páginas, proporcionar ao leitor uma boa imagem daquilo que teria sido a corte milanesa no final do século XV.

Como pontos menos positivos, terei de referir a dificuldade que por vezes senti em acompanhar a evolução do enredo e os elementos de thriller que, por norma, funcionam como catalisador da leitura mas que, neste caso em concreto, foi aquilo que menos me interessou. Para além disso, ia provavelmente com demasiadas expectativas quanto à caracterização de Leonardo que, apesar de ser a personagem principal, parece ver a sua complexidade abordada de forma algo superficial.

Em suma, foi um livro que me divertiu e me ensinou mais sobre a história de Itália e sobre uma das fases da vida de Leonardo Da Vinci. Ainda que alguns aspetos não me tenham convencido na totalidade e as expectativas que tinha não tivessem sido correspondidas no seu todo, foi uma leitura agradável que marcou pela originalidade.

Só com o observar da natureza, e dos outros homens, o homem aprende. Mas sem comparar aquilo que faz com aquilo em que crê, aquilo que espera com aquilo que acontece, o homem não pode crescer são no intelecto e no juízo. E o único modo de ter conhecimento do erro é medir-se com a própria natureza, já que, ao contrário do homem, esta nunca mente.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.