Home / Artigos / Blogmas 2018 – Dia 30 | Balanço de Leituras 2018

Blogmas 2018 – Dia 30 | Balanço de Leituras 2018

2018 foi um ano bastante intermitente a nível de leitura, tanto em termos de ritmo como de qualidade. À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, houve meses em que li bastante e outros em que quase não li nada. Não vale a pena lutar contra isto; não é que me falte tempo, mas a disponibilidade mental por vezes retira-me completamente a vontade de ler. Há que aceitar e seguir em frente.

Tinha definido como meta de leitura para 2018 um total de 70 livros e, como em princípio até ao final do ano não conseguirei terminar mais nenhum, fico a dois livros de alcançar esse total. Ainda pensei fazer “batota” e pegar em livros rápidos de ler só para chegar à meta definida, mas depois percebi que isso não faz qualquer sentido. 68 é um número tão bom como 70. 

Em termos dos desafios a que me tinha proposto, apenas consegui completar um – aumentei a percentagem de livros lidos de autores portugueses, ainda que apenas ligeiramente. Mas não reli os livros da Robin Hobb, como tinha desejado, nem completei nenhum dos outros desafios organizados por terceiros em que me inscrevi. O bloqueio de leitura por que passei no segundo trimestre de 2018 deitou tudo por terra, mas para ser sincera não me sinto culpada. Outra coisa em que falhei redondamente foi na diminuição da pilha de livros por ler; não só não diminuiu como aumentou bastante. Será de certeza um objetivo que quero voltar a tentar em 2019. 

Mas vamos ao principal ponto de interesse deste post, que é o meu Top 10 de leituras do ano. Cá estão elas, por ordem de preferência:

  1. Moby Dick, Herman Melville
  2. Estou Viva, Estou Viva, Estou Viva, Maggie O’Farrell
  3. Pequenos Fogos em Todo o Lado, Celeste Ng
  4. Se esta rua falasse, James Baldwin
  5. Histórias de Adormecer para Raparigas Rebeldes 2, Elena Favilli e Francesca Cavallo
  6. No Jardim do Ogre, Leïla Slimani
  7. Húmus, Raul Brandão
  8. Frida Khalo – Uma Biografia, María Hesse
  9. O Castigo dos Ignorantes, Hjorth & Rosenfeldt
  10. Laços, Domenico Starnone

A título de curiosidade, o género que mais li em 2018 foi a não-ficção (20 livros), seguido de thriller/policial (17) e de romance contemporâneo (15 livros). O livro mais longo que li foi Os Buddenbrook, com 784 páginas e o mais curto A Menina que Queria Salvar os Livros, com 64 páginas.

Amanhã partilho convosco os objetivos e expectativas para 2019!


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.