Home / Blogmas 2018 / Blogmas 2018 – Dia 18 | Opinião: Anatomia de um Escândalo, de Sarah Vaughan

Blogmas 2018 – Dia 18 | Opinião: Anatomia de um Escândalo, de Sarah Vaughan

Autor: Sarah Vaughan
Título Original:
 Anatomy of a Scandal (2018)
Editora: TopSeller
Páginas: 352
ISBN: 9789898869647
Tradutor: Dina Antunes
Origem: Comprado

Sinopse: James Whitehouse é um bom pai, um marido dedicado e uma figura pública carismática e bem-sucedida. Um dia, é acusado de violação por uma colaboradora próxima. Sophie, a sua esposa, está convencida de que ele é inocente e procura desesperadamente proteger a sua família das mentiras que ameaçam arruinar-lhes a vida. Será que é sempre interpretada da mesma forma? Kate Woodcroft é a advogada de acusação. Ela sabe que no tribunal vence quem apresentar os melhores argumentos, e não necessariamente quem é inocente. Ainda assim, está certa de que James é culpado e tudo fará para o condenar. De que lado estará a verdade? Será James vítima de um infeliz mal-entendido ou o autor de um sórdido crime? E estará a razão do lado de Sophie ou de Kate? Este escândalo — que irá forçar Sophie a reavaliar o seu casamento e Kate a enfrentar os seus demónios — deixará marcas na vida de todos eles.

Opinião: Kate Woodcroft é uma advogada dedicada ao seu trabalho, e é especialista em acusações em casos de abusos sexuais. É por isso que lhe vem parar à secretária um caso mediático: James Whitehouse, um membro do governo e amigo pessoal do Primeiro-Ministro inglês, é acusado por uma colaboradora com quem manteve um caso extra-conjugal de a ter violado. O enredo deste livro gira, assim, em torno do julgamento deste caso, com capítulos sob o ponto de vista de Kate, James, a mulher deste, Sophie, e também Holly, uma jovem que fez parte do passado do casal.

Estes recuos ao passado deixam adivinhar que terá acontecido algo naqueles anos de faculdade que está relacionado com a vida presente dos protagonistas e a cerca de meio do livro há uma revelação inesperada (ou assim o foi para mim) que tornou a leitura mais interessante. Gostei de toda a construção do enredo até essa revelação, mas depois as coisas foram amornando e perdi o entusiasmo. Num livro centrado num julgamento, espero testemunhos, questões, respostas e diálogos em contexto de tribunal que me cativem e me absorvam por completo e, infelizmente, não foi isso que aconteceu.

O caso é muito atual, em especial à luz do movimento #MeToo, e aborda temas interessantes como o consentimento e o seu conceito quando as coisas se passam entre um casal. Para além disto tudo, o enredo adiciona-lhe um arguido mediático, com poder político, configurando assim, de certo modo, um confronto entre o poder político e o poder judicial. Outro aspeto em que fiquei a pensar foi na ação dos advogados e no confronto latente entre a importância de defender o que está certo e a vontade de se ganhar um caso.

Acho que este livro tinha todos os ingredientes para se tornar verdadeiramente cativante e relevante, mas quanto a mim acaba por saber a pouco. Penso que o julgamento teve um desenlace anti-climático e a revelação deixada para o final acaba por ter pouco impacto. No final de contas, pareceu-me um livro com bastante potencial, que acaba por não ter o desenvolvimento mais satisfatório para o leitor. Ainda assim, é uma leitura agradável e que deixa boas expectativas para publicações futuras da autora.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.