Home / Célia / Opinião: O Castigo dos Ignorantes | Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt

Opinião: O Castigo dos Ignorantes | Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt

Autor: Michael Hjorth e Hans Rosenfeldt
Título Original:
 De underkända (2015)
Série: Sebastian Bergman #5
Editora: Suma de Letras
Páginas: 512
ISBN: 9789896655556
Tradutor: Elin Baginha
Origem: Recebido para crítica
Comprar aqui (link afiliado)

Sinopse: A estrela de um reality show é encontrada morta numa escola, com um disparo na cabeça. Amarrado a uma cadeira de sala de aula, posicionado de frente para um canto, com orelhas-de-burro. Um exame longo, de várias páginas, pregado na parte de trás da cadeira. A julgar pelo número de respostas erradas, a vítima falhou no teste mais importante da sua vida. Esta morte será o primeiro de uma série de assassinatos contra várias personalidades dos media e o Departamento de Investigação Criminal é chamado. Lutam para encontrar provas e finalmente Sebastian Bergman descobre pistas em chats e cartas anónimas publicadas em jornais. O autor das cartas opõe-se à falta de educação entre os modelos da nova geração e fala muito sobre os assassinatos. Sebastian desafia-o e fica claro que o seu oponente sem rosto tem informações sobre os assassinatos a que ninguém além da polícia —e do assassino —tem acesso. Neste novo caso Sebastian Bergman e sua equipa enfrentam um serial killer complexo e tortuoso, que ameaça a própria existência da equipa.

Opinião: Já não é novidade para ninguém que adoro a série “Sebastian Bergman”; há qualquer coisa de especial na forma como esta personagem encara a vida, ainda que muitas das suas escolhas e atitudes sejam, no mínimo, questionáveis. Aguardava com muita ansiedade a publicação deste 5.º volume e foi, por isso, com bastante entusiasmo que iniciei esta leitura.

Desta vez, a equipa de investigação especial Riksmord vê-se a braços com um assassino em série que escolhe as suas vítimas com o objetivo de chamar a atenção para a glorificação da superficialidade e da ignorância, presentes em muitos dos programas televisivos atuais e um pouco por todo o lado, na Internet. Sven Cato, o assassino, faz-se passar por jornalista para chegar ao contacto com estas pessoas, e quando as captura submete-as a um teste de cultura geral: se conseguirem acertar num terço das respostas, sobrevivem, senão o seu destino será a morte.

Boa parte do livro foca-se no jogo do gato e do rato, com os normais avanços e recuos da investigação, e essa parte está, como é habitual, muito bem construída. Mas, para além disso, os autores conseguiram trazer um tema interessante para a história, com bastante potencial para reflexão: a proliferação do entretenimento fútil e sem substância, que exerce um fascínio sobre a grande maioria das pessoas, por motivos que, sinceramente, me ultrapassam. Apesar disso, defendo por completo a liberdade de escolha relativamente ao que se consome; eu continuo a ter a liberdade de desligar a tv ou mudar de canal.

Para além de um caso muito interessante, cujo desenvolvimento faz com que as páginas voem, continuamos a ter o habitual foco nas vidas pessoas dos elementos da Riksmord. Acho que é esta familiaridade e empatia com as personagens que me faz realmente adorar esta série. Claro que gosto muito de os ver em ação, mas a forma como os autores conseguem envolver os leitores na vida destas pessoas, em especial de Sebastian, continua a ser, para mim, o ponto alto desta série.

O caso deste livro fica resolvido, mas o livro termina com um acontecimento que deixa o leitor (mais uma vez) de boca aberta e com uma vontade incontrolável de ler já o volume seguinte. Tomara que chegue depressa! 

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante

Opiniões de outros livros da série:

  1. Segredos Obscuros
  2. O Discípulo
  3. O Homem Ausente
  4. A Menina Silenciosa


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.