Rentrée Literária 2017 – Elsinore

SETEMBRO

Primeiros romances e romances consagrados; contos épicos e ódios poéticos; clássicos intemporais e tempo para novos clássicos; prémios Nobel e outros prémios mais; literatura dos Estados Unidos da América, do Reino Unido, da Argentina e da Dinamarca; não ficção atual, a publicada agora e a recuperada para novos olhares sobre a guerra. Na rentrée da Elsinore, a garantia de grandes livros. Entre nós e as palavras, leituras inesquecíveis.

Depois de Vozes de Chernobyl, A Guerra não Tem Rosto de Mulher e Rapazes de Zinco, a Elsinore prossegue a edição das obras de Svetlana Alexievich, Prémio Nobel de Literatura de 2015. Publicado inicialmente em 1985, As Últimas Testemunhas é um retrato inesperado da II Guerra Mundial, como também era o apresentado em A Guerra não Tem Rosto de Mulher. Desta vez a perspetiva é a das crianças que viveram a Guerra Patriótica da União Soviética contra a Alemanha Nazi, que em 1941 quebrou o Pacto de Não-Agressão e invadiu a Rússia. São cem histórias sem infância, tocantes e impiedosas, vividas num conflito que o olhar inocente da idade não soube entender. Estima-se que na II Guerra Mundial morreram três milhões de crianças. «Alcançámos aquela linha… aquele limiar…», desabafa um dos entrevistados por Svetlana Alexievich, 40 anos depois. «Somos as últimas testemunhas. O nosso tempo está a chegar ao fim… Devemos falar…».

No campo do ensaio, mais duas obras igualmente surpreendentes. Em Ódio à Poesia, o poeta e ensaísta norte-americano Ben Lerner tenta perceber por que razão a arte poética, o poema e o verso desencadeiam reações tão negativas junto dos leitores. «Poesia: que espécie de arte acomoda o desagrado do seu público e que espécie de artista se alinha em defesa de tal desagrado, até mesmo encorajando-o?», questiona-se Ben Lerner. A resposta possível surge nesta centena de páginas, que recolhem exemplos na História da Literatura e na sua experiência autoral.

Com o seu estilo inconfundível – lúcido e provocatório –, Slavoj Žižek escreve sobre o que simboliza hoje, cem anos depois, a figura do principal líder da Revolução Russa e o impacto da sua doutrina ao longo do século XX. Lenine 2017 reúne dois grandes estudos do filósofo esloveno (um a abrir, o outro a fechar) e um conjunto de escritos do próprio Lenine (ensaios, memorandos e cartas).

Merecedor de destaque é também a reedição, em setembro, dos dois ensaios de Yuval Noah Harari publicados pela Elsinore. Sapiens: História Breve da Humanidade e Homo Deus: História Breve do Amanhã figuram há meses nas principais listas de bestseller e chegam agora, respetivamente, à sexta e à terceira edições.

Na ficção, dois romances de língua inglesa. De Inglaterra, o quinto (e mais recente) romance de Helen Oyeyemi, autora da coletânea de contos O Que não É Teu não É Teu (Elsinore, 2016). Rapaz, Neve, Ave é a surpreendente recriação do conto infantil A Branca de Neve, transposto para uma pequena cidade do Massachusetts. Dos Estados Unidos da América, Um dos Nossos é o primeiro (e aclamado) romance de Daniel Magariel, história centrada na relação claustrofóbica e violenta de um pai com os seus dois filhos.

 

OUTUBRO

Em outubro, três ficções de outras tantas geografias e idiomas. How To Be Both, o romance mais galardoado de Ali Smith, que recebeu o Baileys Women’s Prize for Fiction, o Goldsmiths Prize e o Costa Book Awards, tendo sindo finalista do Folio Prize e do Man Booker Prize. Nele se confrontam as perspetivas muito diversas de duas personagens: a de uma rapariga de 16 anos da Cambridge dos nossos dias e a do pintor renascentista Francesco del Cossa.

De Samantha Schweblin, o seu primeiro romance, Distância de Segurança. Nascida em Buenos Aires, em 1978, a escritora argentina começou por se destacar no conto, enquanto herdeira e renovadora dos grandes mestres do seu país (Jorge Luís Borges e Julio Cortázar). Distância de Segurança é um romance de mães e filhos, terrores e almas transmigradas, tudo cosido com uma força narrativa que conquista do leitor desde a primeira página.

Da Dinamarca chega o terceiro romance de Josefine Klougart. Um de Nós Dorme foi finalista do Nordic Council Literatura Prize e muito bem-recebido pela crítica. Perda, dor, lamento, esperança e redenção conjugam-se numa viagem pela vida de uma mulher. Sem cronologia linear, vai do presente para a sua infância, das paixões à maternidade.

Na área da não-ficção, a Elsinore lança em outubro O Que se Vê da Última Fila, de Neil Gaiman. Conhecido pelas suas inúmeras criações no romance, cinema e BD, Gaiman revela-se um espectador apaixonado e um crítico arguto. Esta coletânea de textos dá ainda a conhecer as suas paixões, influências e opções artísticas, com passagens por Bradbury, Dave McKean, Lou Reed, Lovecraft, Poe, Rudyard Kipling, Stephen King, Tolkien e Wells.

 

NOVEMBRO

Mais ficção no final do ano editorial da Elsinore. A Dança do Rapaz Branco, de Paul Beatty, autor de O Vendido, vencedor do Man Booker Prize do ano passado. Neste primeiro romance do escritor norte-americano já estão presentes os ingredientes que o têm singularizado no contexto da Literatura anglo-saxónica: escrita versátil, do erudito ao calão, humor subtil e inesperado, e uma atenção especial aos temas da raça e da condição afro-americana. Num passe de dança, um rapaz muda-se de Santa Monica para Los Angeles e do anonimato para a fama. Mas, como se sabe, nada dura para sempre.

Também do universo anglo-saxão, mas do País de Gales, Cynan Jones volta a mostrar a sua delicadeza literária em A Baía. Apanhado numa tempestade e fulminado por um relâmpago, um homem tenta regressar a terra e perceber quem é. Parágrafos curtos, frases esculpidas, indagação da alma.

Antes do seu primeiro romance, Yoro, vencedor do prestigiado Premio Sor Juana Inés de la Cruz, da Feira Internacional do Livro de Guadalajara, Marina Perezagua lançou dois volumes de contos, Criaturas Abisales e Leche, que estão na base da antologia que a Elsinore publicará em novembro. Histórias curtas de amor e ódio, desejos e medos ancestrais.

Por último, no ensaio, o olhar sempre esclarecido e conhecedor de Noam Chomsky sobre os desafios do nosso tempo. A ascensão do neoliberalismo, a crise dos refugiados e as últimas eleições americanas são alguns dos temas abordados nas entrevistas reunidas em Optimism over Despair.

Fonte: Nota de Imprensa 20|20

mae-billboard

Sobre Célia

Tenho 38 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.