Home / Notícias / Rentrée Literária 2017 – Cavalo de Ferro

Rentrée Literária 2017 – Cavalo de Ferro

SETEMBRO

Livros resgatados ao esquecimento, reedição de clássicos da Literatura Mundial e apostas em grandes autores da América Latina e do norte e centro da Europa marcam a rentrée da Cavalo de Ferro. Adolfo Bioy Casares, Alexander Kielland, Elias Canetti, Halldor Laxness, Ivo Andrić, Juan Rulfo, Julio Cortazár, Luigi Pirandello, Magda Szabó, Marc Ferro, Mark Twain e Urbano Tavares Rodrigues: ler estes autores pode causar independência. De espírito. E de pensamento.

Elias Canetti é um dos autores em destaque na rentrée de 2017 da Cavalo de Ferro. Logo em setembro são lançados dois dos mais significativos títulos do romancista e ensaísta de origem búlgara, nascido em 1905 e falecido em 1994. Massa e Poder, agora em segunda edição, foi considerado em 2014 um dos livros do ano pelos jornais Expresso e Público. Para analisar o homem e a sociedade ao correr dos séculos, Elias Canetti conjuga várias áreas do saber, desde os mitos às posturas corporais do homem, passando pela inflação e o moderno sistema parlamentar. Igual erudição sobressai em A Consciência das Palavras, coletânea de ensaios em que Canetti passa em revista autores de referência da Literatura, Filosofia e Política do século XX.

Na ficção, três escritores de peso. Julio Cortázar, com Octaedro, um dos livros de contos mais emblemáticos do escritor argentino (e o sexto publicado pela Cavalo de Ferro, a que se soma o romance O Jogo do Mundo / Rayuela e os volumes Aulas de Literatura, Papéis Inesperados e A Volta ao Dia em 80 Mundos). Como o próprio título sugere, reúne oito histórias curtas. Nos interstícios da realidade nascem aventuras improváveis: um rosto refletido numa janela que desencadeia um sentimento amoroso, mortos que voltam a morrer, personagens irreais que procuram dolorosas mentiras. Publicado originalmente em 1974, está inédito em Portugal.

O centenário do nascimento de Juan Rulfo tem sido um excelente pretexto para se regressar à obra de um dos mais influentes escritores do século XX. Depois do relançamento de Pedro Páramo e A Planície em Chamas, já nas livrarias, em setembro será publicada a edição mais recente, completa e rigorosa de O Galo de Ouro, com fixação do texto corrigida pela Fundação Juan Rulfo. O volume é enriquecido com vários ensaios introdutórios.

Com A Porta a Cavalo de Ferro dá início à publicação dos romances de Magda Szabó, nome central da Literatura Húngara, de quem também se celebra, em 2017, o centenário do seu nascimento, os dez anos da sua morte e os trinta desta ficção. A Porta foi a obra que projetou Magda Szabó internacionalmente no início dos anos 2000, em parte devido ao Prémio Fémina que recebeu em França. A recente tradução inglesa, prefaciada por Ali Smith, voltou a chamar a atenção para esta escritora singular que chegou a ser considerada «inimiga do Estado» por não seguir o Realismo Social imposto pelo regime, acabando impedida de publicar durante dez anos. Escrito em tom confessional e vagamente autobiográfico, A Porta narra a estreita relação que se estabelece entre duas mulheres na Hungria do pós-guerra: Magda, uma jovem escritora, e a sua empregada, Emerence, uma camponesa analfabeta.

 

OUTUBRO

Em mês de outro centenário – o da Revolução Russa de 1917 – a Cavalo de Ferro recupera Viagem à União Soviética, de Urbano Tavares Rodrigues, publicado em 1973 (primeira e segundas edições) e 1974 (terceira edição, depois do 25 de Abril) e desde então esquecido. «Não tenho, nem de longe, ao publicar este livro, a pretensão de conhecer bem a União Soviética. Limito-me a transmitir um pouco do que vi, ouvi, li, senti numa viagem de três semanas – de Moscovo e Leninegrado à Sibéria Oriental e à Ásia Central. Informações forçosamente limitadas, impressões forçosamente subjetivas», escreve o escritor na apresentação. Nestas páginas lê-se a crónica de uma descoberta, de um entusiasmo (com a ideologia comunista), de uma lucidez (na observação) e de uma enorme independência de espírito. O volume é prefaciado por José Neves, historiador e estudioso do século XX. 

Outubro é, de resto, mês para grandes reedições, incluindo as de três autores distinguidos com o Prémio Nobel de Literatura: Ivo Andrić, com A Ponte sobre o Drina; Halldór Laxness, com Gente Independente e O Sino da Islândia; e Luigi Pirandello, com Um, Ninguém e Cem Mil.

De regresso às livrarias estará ainda Adolfo Bioy Casares, engenhoso escritor argentino, um dos mais importantes do século XX, vencedor de inúmeros prémios nacionais e internacionais. Novas edições de O Sonho dos Heróis e Plano de Evasão. De Alexander Kielland, nome maior da Literatura Escandinava, a Cavalo de Ferro publica Garman & Worse – Um romance norueguês. Anticlerical, pró-feminista, crítico e cheio de sentido de humor, este romance – o primeiro do autor – retrata duas famílias e as suas relações humanas e sociais.

 

NOVEMBRO

A duração imprevista da Primeira Grande Guerra, a afirmação do nazismo, o extermínio dos judeus, o Maio de 68, a queda do Comunismo, os ataques de 11 de Setembro de 2001, a crise financeira do subprime de 2008, a ascensão do islamismo radical: por que razão somos tão cegos perante a realidade? Os indícios estão lá, mas o olhar não atenta. É sobre esta incapacidade de ler o passado, o presente e o futuro que se debruça Marc Ferro, um dos grandes historiadores do nosso tempo, que fez a sua formação na École des hautes études en sciences sociales e na Revue des Annales, instituição e publicação que veio mais tarde a dirigir. A Cegueira propõe uma outra história do nosso mundo para percebermos por que razão assistimos incrédulos ao despoletar de crises, ao eclodir de tragédias e ao desenrolar de convulsões sociais, sem que líderes políticos e cidadãos comuns consigam ver e interpretar os factos que, contudo, se repetem diante dos seus olhos.

O destaque dado à obra de Elias Canetti é retomado em novembro com o primeiro volume da trilogia A Língua Resgatada. Relato autobiográfico, dá a conhecer a educação típica de um jovem nascido numa família de judeus sefarditas. O cruzamento de incidentes privados e acontecimentos mundiais faz deste livro um autêntico fresco das primeiras décadas do século XX. 

Excertos dos Diários de Adão e Eva, reunião de dois divertidos contos humorísticos de Mark Twain, encerra o ano editorial da Cavalo de Ferro.

Fonte: Nota de Imprensa 20|20


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.