Home / 4/5 / Opinião: A Confissão do Navegador | Duarte Nuno Braga

Opinião: A Confissão do Navegador | Duarte Nuno Braga

3ef545d0-75d0-4253-bacc-880a241945fdAutor: Duarte Nuno Braga
Ano de Publicação:
2016
Editora: Editorial Presença
Páginas: 255
ISBN: 9789722358248
Origem: Recebido para crítica
Comprar aqui (link afiliado)

Sinopse: Corre o ano de 1493. D. João II convida o navegador Duarte Pacheco Pereira a conhecer Cristóvão Colombo. Joga-se o destino de Portugal e do próprio Duarte Pacheco Pereira, incumbido de uma missão secreta que o leva aos confins do Atlântico. Neste empolgante romance histórico desvenda-se a figura pouco conhecida do navegador descrito por Camões como o «Aquiles lusitano». Do perigo dos mares ao calor da Índia e da batalha, somos levados para uma época envolta em segredos, conspirações e relações proibidas. A ambição de um reino muda a vida de um homem dividido numa busca espiritual entre a lealdade e o amor.

Opinião: Quem foi, afinal, o primeiro navegador português a descobrir o Brasil? A resposta comummente aceite é Pedro Álvares Cabral, em 1500, mas em A Confissão do Navegador, Duarte Nuno Braga propõe-se a desmistificar esta ideia e a provar que, em 1493 – um ano antes da assinatura do famoso Tratado de Tordesilhas – , o navegador Duarte Pacheco Pereira empreendeu uma missão secreta a mando de D. João II, durante a qual terá sido avistado pela primeira vez o Monte Pascoal e, em consequência, a primeira porção de terra hoje pertencente ao Brasil.

Mas esta viagem está longe de ser o centro deste livro; o enredo centra-se, basicamente, nas mais importantes missões de Duarte Pacheco Pereira. Para além desta importante viagem de exploração, o navegador rumou, em 1503, a terras indianas, a fim de guarnecer a Fortaleza de Cochim, aliando-se ao Rajá local para suster a investida do Samorim de Calecute.

Por uma questão de mero gosto pessoal, senti-me mais entusiasmada pela primeira parte; talvez por me sentir mais fascinada pela questão da descoberta do que pela sua manutenção e também porque a intencionalidade desta viagem exploratória de Duarte Pacheco Pereira continua a levantar algumas dúvidas nos historiadores (pelo menos foi o que concluí da breve pesquisa que fiz). A segunda parte, que decorre na Índia, revelou-se um pouco menos entusiasmante, ainda que seja de louvar a presença de diversos detalhes estratégicos e militares que, a meu ver, ajudam a que a narrativa se torne mais verosímil e interessante.

Gostei da dimensão humana e espiritual com que o autor caracterizou a sua personagem principal. O constante dilema entre amor e dever ajudam a que o leitor crie uma maior empatia com Duarte Pacheco Pereira, que não é beliscada pela diferença de valores que se verificaram na sociedade desde então.

Pareceu-me sinceramente um bom primeiro romance: bem escrito, com um tema interessante e com personagens bem trabalhadas. Ficarei atenta a futuros trabalhos de Duarte Nuno Braga. 

Duarte quase poderia viver toda a sua vida no seio do vasto oceano, usufruindo de uma felicidade simples mas extrema. Os navios tinham para o capitão uma aura transcendente, como que uma energia muito própria. Eram como um elo de ligação entre a terra e o mar, por um lado, e o mar e o céu, por outro. Como se Deus lá em cima Se divertisse com o seu barquinho de brincar, entrelaçando-o nos quatro elementos. As suas mãos eram a terra que enxugava água das suas lágrimas. O ar que os empurrava era o seu sopro de esperança e o fogo do Sol o calor do seu coração que os aquecia.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante

Nota: Para mais informações sobre A Confissão do Navegador, clica aqui.


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.