Home / 3/5 / [Opinião] The Sum of all Kisses, de Julia Quinn

[Opinião] The Sum of all Kisses, de Julia Quinn

18742328Autor: Julia Quinn
Ano de Publicação: 2013
Série: Smythe-Smith Quartet #3
Páginas: 384

Sinopse: Hugh Prentice has never had patience for dramatic females, and if Lady Sarah Pleinsworth has ever been acquainted with the words shy or retiring, she’s long since tossed them out the window. Besides, a reckless duel has left this brilliant mathematician with a ruined leg, and now he could never court a woman like Sarah, much less dream of marrying her. Sarah has never forgiven Hugh for the duel he fought that nearly destroyed her family. But even if she could find a way to forgive him, it wouldn’t matter. She doesn’t care that his leg is less than perfect, it’s his personality she can’t abide. But forced to spend a week in close company they discover that first impressions are not always reliable. And when one kiss leads to two, three, and four, the mathematician may lose count, and the lady may, for the first time, find herself speechless… New York Times bestselling author Julia Quinn’s enchanting third novel in the Smythe-Smith quartet is guaranteed to make you laugh out loud and tug at your heartstrings in equal measures.
  

Opinião: Depois da desilusão com o segundo volume desta série, parti com algumas expectativas para o terceiro, não só porque o protagonista masculino tinha sido uma das personagens mais cativantes do livro anterior mas também porque as opiniões que li diziam que a terceira parte da série era francamente boa.

Hugh Prentice esteve envolvido no acontecimento que influenciou o rumo dos acontecimentos nos dois volumes anteriores: depois de um jogo de cartas que originou um duelo entre Hugh e Daniel Smythe-Smith e a lesão para toda a vida na perna de Hugh, Daniel teve de fugir para o estrangeiro de modo a evitar a ira do pai de Hugh. Desta vez, voltamos a recordar este incidente, mas sob a perspetiva de Hugh, à medida que o vamos conhecendo melhor e tomando consciência da sua extrema inteligência e aptidão para os números e a memorização (suponho que esta personagem teria Síndrome de Asperger).

Os dois pombinhos deste livro começam por se detestar: Sarah Pleinsworth (prima das irmãs Smythe-Smith) porque a questão do duelo evitou que pudesse participar nas famosas temporadas londrinas e, consequentemente, ter probabilidade de arranjar marido; Hugh porque a acha uma mulher irritante. Mas quando os dois são obrigados a passar tempo juntos por ocasião dos casamentos dos casais dos livros anteriores, começam a conhecer-se melhor e acabam por se apaixonar.

A parte que mais gostei no livro foi, de facto, toda a construção do romance que nunca parece apressada ou forçada. Hugh é uma personagem interessante e Sarah, apesar de não tanto, acaba por sair a ganhar pelo facto de a autora ter optado por trazer ao de cima o que os dois tinham de melhor por se terem apaixonado. 

Achei o twist a cerca de 3/4 do livro (e os acontecimentos que lhe sucederam) um bocado estranho e, de certo modo, não achei que condissesse com o tom do resto do livro. Percebo a intenção da autora em criar obstáculos ao final feliz e dar-lhe, assim, uma maior sensação de recompensa, mas os tais obstáculos caem um bocado no ridículo por parecerem forçados.

Ainda assim, foi uma boa leitura, que cumpriu minimamente aquilo que dela esperava, sendo mesmo o meu preferido dos três livros com que esta série conta até agora.

Classificação: 3/5 -Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.