Home / Artigos / Julgar o livro pela capa

Julgar o livro pela capa

Que atire a primeira pedra quem nunca comprou um livro pela capa. Hoje em dia já muito dificilmente o faço, isto de comprar um livro só porque gostei da capa. Primeiro, porque estou mais contida nas compras e faço uma investigação muito mais aprofundada antes de tomar a decisão de comprar, e depois porque, convenhamos, as capas portuguesas não são propriamente as mais apelativas de sempre, com honradíssimas exceções, como a Ahab – que infelizmente, por estes dias, parece mais morta que viva. Dois exemplos:

 

ahab

 

O que é que eu gosto nestas capas? Do minimalismo com significado, das cores, das ideias e da composição geral. Não esquecer também a indicação do tradutor na capa, algo que muito raramente se vê. Prefiro de longe este tipo de capas às que utilizam stock photos e composições duvidosas, que é o que mais vou vendo por aí atualmente (ainda alguém aguenta capas com rostos – ou corpo inteiro – de mulheres juntamente com flores?).

 

Vem isto a propósito de um artigo que vi no Buzzfeed há uns dias, onde estão algumas capas de livros consideradas pelo autor do artigo como das melhores de 2014. De facto, gosto de praticamente todas, mas estas três são as minhas favoritas:

 

capas

 

Penso que todos os exemplos que deixei acima mostram que o design de capas é, na realidade, uma arte. Contudo, parece-me que por terras lusas é uma arte que tem sido bastante negligenciada, provavelmente mais por contenção de custos por parte das editoras do que por outro motivo qualquer. Muitas vezes adotam as capas das edições originais e quando decidem magicar uma capa nova, muitas vezes o resultado deixa a desejar. Um exemplo disto:

 

jojo

 

Todo o minimalismo da capa original, que cativa também pelas cores e pelo lettering perde-se na capa portuguesa, que peca pela banalidade da stock photo e, em conjunto com o título lamechas, dá uma ideia completamente errada da história que contém.

 

E vocês, gostam de apreciar o design nas capas de livros? Dão importância ao assunto ou são da opinião que o conteúdo é o que realmente interessa?


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.