Home / 3/5 / [Opinião] O Café do Amor, de Deborah Smith

[Opinião] O Café do Amor, de Deborah Smith

17839897Autor: Deborah Smith
Título Original:
The Crossroads Cafe (2006)
Editora: Porto Editora
Páginas: 432
ISBN: 9789720045959
Tradutor: Isabel Alves
Origem: Comprado

Sinopse: Cathryn Deen vivia num mundo de sonho: atriz famosa, idolatrada, era considerada a mulher mais bela do planeta. A fama era tudo na sua vida. Mas após sofrer um trágico acidente de automóvel, que a deixa marcada para sempre, decide ocultar-se de tudo e todos.

Escondida na casa da sua avó materna nas montanhas da Carolina do Norte, Cathryn tenta ultrapassar os seus traumas com a ajuda da sua grande prima Delta, uma mulher roliça e bem-disposta, dona do café local. Considerada por todos a alma daquele vale, Delta alimenta com os seus cozinhados e biscoitos deliciosos o corpo e o espírito dos mais carentes.

Um dos seus protegidos é Thomas Mitternich, um famoso arquiteto, fugido de Nova Iorque, após os atentados às Torres Gémeas lhe terem roubado o que de mais valioso tinha na vida: a mulher e o filho. Atormentado pela culpa, Thomas acredita que nada nem ninguém lhe poderá devolver a razão de viver e, entregue ao álcool e ao desespero, espera um dia ganhar coragem para se juntar àqueles que mais amava. O destino irá cruzar os caminhos de Cathryn e Thomas numa história magnífica de superação, ensinando-os a transformar as adversidades em oportunidades e a valorizar a beleza que existe em tudo o que os rodeia.

Opinião: As experiências anteriores com livros desta autora (A Doçura da Chuva e Segredos do Passado) levaram-me a não hesitar comprar O Café do Amor quando saiu por cá no ano passado. Deste livro, esperava uma leitura leve e cativante, com foco nos sentimentos e dilemas das personagens, e, se por um lado isso aconteceu, por outro acabou por não me agarrar tanto como os livros que já tinha lido desta autora.

As duas personagens principais do livro estão marcadas por grandes tragédias: Cathy é considerada a atriz mais bonita do mundo até ter tido um acidente de automóvel que a deixou desfigurada e com vontade de desaparecer; Thomas vive na sombra de um passado marcado pela perda trágica da mulher e filho nos atentados de 11 de setembro, e reside nas montanhas da Carolina do Norte, refugiado na bebida e tentando, aos poucos, encontrar algum sentido para a sua vida. A dona do café a que o título do livro faz referência acaba por ser o ponto de ligação entre estas duas almas perdidas, porque deseja retomar o contacto com a prima Cathy e Thomas se vê envolvido na tentativa de não deixar que Cathy atinja o fundo do poço.

A história é muito previsível, mesmo tendo em conta que num livro deste género o leitor já sabe, à partida, que nada de muito mau vai acontecer às personagens principais. Ainda assim, a previsibilidade acabou por fazer com que a minha leitura se tornasse, a espaços, aborrecida. Esta previsibilidade do enredo em conjunto com o tom cómico que aparece frequentemente na narrativa fez com que tivesse problemas em dar credibilidade aos dramas das personagens principais e às dificuldades que tiveram em ultrapassar os acontecimentos trágicos que marcaram as suas vidas. Depois de terminar o livro, tive ainda algum tempo a tentar perceber o que não tinha funcionado muito bem comigo e acho que foi precisamente isto. Eu precisava de acreditar que aquelas pessoas estavam a passar por verdadeiras dificuldades em arranjar motivos para viver, mas nunca consegui pela forma como o livro está escrito e o enredo composto.

Mas, apesar do que refiro acima, não deixa de ser uma leitura agradável, que toca em alguns temas importantes. A ditadura da beleza, a força do ser humano em ultrapassar dificuldades e recomeçar, a importância da amizade, são todos eles assuntos abordados de forma satisfatória, sem nunca tornarem a leitura pesada. Acabei por gostar do livro, apesar de tudo, e pretendo continuar a acompanhar esta autora.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.