Home / 3/5 / [Opinião] 84, Charing Cross Road, de Helene Hanff

[Opinião] 84, Charing Cross Road, de Helene Hanff

Autor: Helene Hanff
Editora: Sphere
Páginas: 230
ISBN: 9780751503845
Origem: Comprado

Sinopse: In 1949 Helene Hanff, a “poor writer with an antiquarian taste in books”, wrote to Marks & Co Booksellers of 84 Charing Cross Rd, in search of the rare editions she was unable to find in New York. 
Her books were dispatched with polite but brisk efficiency. But, seeking further treasures, Helene soon found herself in regular correspondence with bookseller Frank Doel, laying siege to his English reserve with her warmth and wit. And as letters, books and quips crossed the ocean, a friendship flourished that would endure for twenty years.

Opinião: 84, Charing Cross Road tinha-me sido recomendado como um livro para amantes de livros. Escrito na forma epistolar, este livro compila uma série de cartas verídicas trocadas entre Helene Hanff e Frank Doel: ela, uma leitora e argumentista proveniente dos E.U.A.; ele, um empregado de uma livraria alfarrabista em Londres.

Poucos anos após o final da 2.ª Guerra Mundial, Helene envia uma carta à Marks & Co., em Londres, pedindo ajuda para encontrar alguns livros antigos e difíceis de encontrar. Frank Doel, um livreiro, é quem lhe responde, rápida e eficazmente, dando início a uma troca de correspondência que se prolongaria por 20 anos. Helene era uma mulher extrovertida e irreverente, que tentou desde o início “quebrar o gelo” do aparentemente reservado Frank. E conseguiu-o, demonstrando a sua boa vontade e simpatia ao enviar bens para Frank, colegas e respectivas famílias, na época dos racionamentos em Inglaterra, em que não havia abundância de uma coisa tão simples como, por exemplo, ovos. As cartas permitem também vislumbrar um pouco do que era a Inglaterra pós-guerra.

Apesar de as cartas cobrirem o espaço de 20 anos, lêem-se num par de horas com muito gosto. Esta edição que comprei contem a sequela, The Duchess of Bloomsbury Street, que narra a tão desejada visita de Helene Hanff a Inglaterra, já após Frank ter falecido, entre outras coisas para promover o seu livro. Helene tem finalmente oportunidade de conhecer a espaço físico da livraria Marks & Co e algumas das pessoas com as quais se correspondia há tanto tempo. Devo dizer que esta sequela não me despertou tanto interesse como as cartas iniciais e não acho que a sua leitura seja essencial. Das cartas, essas gostei bastante e só posso recomendar.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.