Home / Das palavras às imagens / Das palavras às imagens (11)

Das palavras às imagens (11)

No final do ano passado, decidi fazer uma coisa que já não fazia há algum tempo: rever a trilogia “O Senhor dos Anéis”. Quem conhece os meus gostos sabe que sou absolutamente fã dos livros de Tolkien, que já li umas poucas de vezes (aliás, conto reler a obra principal, em inglês, durante este ano), e apesar de não poder afirmar que se a adaptação cinematográfica não existisse nunca os teria lido, é certo que foi o pretexto para esta minha paixão.

 

No Natal de 2001, eu estava à espera de receber pelo Natal o terceiro volume da série Harry Potter, uma vez que nos Natais anteriores tinha recebido o primeiro e o segundo. Pela lógica, aquele presente com a forma inconfundível de um livro teria de ser a continuação. Na noite de Natal, abri a prenda e vi “A Irmandade do Anel”, com tie-in do filme. O meu pai tinha visto no “Acontece” Carlos Pinto Coelho a falar no livro, por causa da estreia do filme, e achou que era capaz de me interessar.

 

Nessa altura, não estava tão a par das estreias e tinha poucos conhecimentos literários, portanto não fazia ideia que este filme tinha acabado de estrear, quanto mais que se baseava em livros tão amados como os de Tolkien. Lembro-me que comecei a lê-lo no dia de Natal e da sensação de estranheza com que fiquei por ser diferente de tudo o que tinha lido até então… o longo prólogo mais parecia uma história verdadeira, de tão detalhada, e fiquei completamente agarrada. Quando terminei o livro, fui ver o filme ao cinema e depois disso comprei os outros dois e li-os num ápice. Enquanto não estrearam “As Duas Torres” e “O Regresso do Rei“, entretive-me a ler “O Hobbit“, o “Silmarillion” e os “Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média“.

 

Em Dezembro de 2002 e 2003, estive lá no dia de estreia a vibrar intensamente com aquele mundo e aquelas personagens que tanto adorava. E não fiquei só por um visionamento 😀 Entretanto, comprei as extended versions dos três filmes que, diga-se de passagem, são absolutamente extraordinárias. A cada filme foram acrescentados vários minutos de cenas extra que representam, por assim dizer, a forma como Peter Jackson idealizou os filmes para os fãs dos livros. Já para não falar dos dois DVD’s de extras que cada filme traz, com entrevistas aos actores, realizador, e a uma série de pessoas que estiveram envolvidas na produção destes filmes fantásticos, bem como um olhar detalhado sobre todos os aspectos da produção.

 

 

Gosto muito de várias personagens, mas desde que tomei contacto com a história que houve duas a tornarem-se as minhas preferidas: Gandalf e Aragorn, interpretados nos filmes por Ian McKellen e Viggo Mortensen, respectivamente. Adorei o desempenho de ambos nos filmes, pois transmitem toda a essência destas personagens. Ah, e a Cate Blanchett também está fantástica no papel de Galadriel, apesar de aparecer durante relativamente pouco tempo. Acho que a grande maioria do elenco esteve à altura.

 

Existem algumas diferenças (relevantes, dizem os fãs mais acérrimos) entre filmes e livros, notavelmente a ausência de Tom Bombadil e da sua querida Goldberry, ou do empolamento do papel de Arwen. Existem mais alterações aqui e ali, mas estas não me escandalizam. Acho que é virtualmente impossível adaptar aquela história tal e qual como foi escrita porque coisas que funcionam bem em livro não funcionam necessariamente bem em filme. Peter Jackson e companhia fizeram um trabalho excelente, dedicado e detalhado, que demonstra amor à obra em que se baseia. Foi um prazer dedicar algumas horas da minha vida a rever estes filmes que tanto adoro.

 

Pity? It was pity that stayed Bilbo’s hand. Many that live deserve death. Some that die deserve life. Can you give it to them, Frodo? Do not be too eager to deal out death in judgment. Even the very wise cannot see all ends. My heart tells me that Gollum has some part to play yet, for good or ill before this is over. The pity of Bilbo may rule the fate of many.

 

 

 


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.