Home / Das palavras às imagens / Das palavras às imagens (10)

Das palavras às imagens (10)

 

Já andava a adiar há muito tempo o visionamento do filme “The Road”, realizado por John Hillcoat e baseado na obra homónima de Cormac McCarthy, que li há quase 3 anos. Lembro-me que foi uma leitura particularmente marcante e, juntando isso ao facto de um dos protagonistas deste filme ser o meu actor favorito, estavam reunidos os ingredientes para gostar deste filme. E a verdade é que gostei muito.

 

Acho que o filme está extremamente fiel ao livro, incluindo os diálogos, apesar de dar um pouco mais de destaque à mulher/mãe dos dois protagonistas do que na história escrita, o que considero compreensível. É um filme bastante deprimente por nos apresentar situações extremas e um mundo quase desprovido de esperança, apesar de esta aparecer onde menos se espera.

 

A interpretação de Viggo Mortensen é soberba, como de costume (para quando um Óscar?). Conhecido pelo empenho com que encarna as suas personagens (a história de andar com a espada para todo o lado quando encarnava Aragorn é lendária), Viggo Mortensen chegou mesmo a ser expulso de uma loja por ter sido confundido com um mendigo, quando andava no dia-a-dia com as roupas da sua personagem. O jovem Kodi Smith-McPhee tem também uma prestação muito convincente. O trailer dá a entender um filme com muito mais acção do que este tem na realidade, mas para quem já tenha lido o livro isso acaba por não supreender. A falta de informação de background sobre o que se passou para o mundo ficar tão decadente, para onde caminham pai e filho, ou mesmo algo tão simples como os seus nomes é propositado: o mais importante aqui é a viagem, não o início ou o fim. Isso e o amor entre pai e filho; os silêncios, mais que os diálogos, acabam por contar a história pretendida. Um filme deprimente e negro, mas emocionante, absolutamente recomendado. Tal como o livro.

 

Sometimes I tell the boy old stories of courage and justice – difficult as they are to remember. All I know is the child is my warrant and if he is not the word of God, then God never spoke.

 


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.