Home / 3/10 / [Opinião] Orgulho e Preconceito e Zombies, de Seth Grahame-Smith

[Opinião] Orgulho e Preconceito e Zombies, de Seth Grahame-Smith

Autor: Jane Austen e Seth Grahame-Smith
Título Original: Pride and Prejudice and Zombies (2009)
Editora: Gailivro
Páginas: 360
ISBN: 9789895577040
Tradutor: Pedro Garcia Rosado
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: É uma verdade universalmente aceite que um zombie que consiga deitar a mão a um cérebro tem necessidade de mais cérebros.” É assim que começa Orgulho e Preconceito e Zombies, uma versão alargada do bem amado romance de Jane Austen. Apresenta cenas completamente novas, com a violência capaz de esmagar ossos, ao ser introduzida a presença dos zombies. A destemida heroína Elizabeth Bennet está decidida a varrer a ameaça dos zombies, mas rapidamente se vê afastada desse objectivo com a chegada do altivo e arrogante Mr. Darcy. Segue-se uma encantadora comédia de costume, com inúmeras lutas civilizadas entre os dois apaixonados e com lutas muito mais violentas, em campos de batalha ensopados de sangue. Munido de relações amorosas, corações despedaçados, lutas com espadas, canibalismo e milhares de cadáveres putrefactos, Orgulho e Preconceito e Zombies transforma uma obra-prima da literatura mundial em algo que o leitor não vai querer perder.

Opinião: Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, é, sem margem para dúvidas, um dos clássicos mais amados e aclamados de sempre. Publicado em 1813, tem resistido ao teste do tempo e fascinado gerações de leitores sem nunca perder o seu encanto. Li-o há algum tempo atrás e gostei muito.

Orgulho e Preconceito e Zombies prometia ser um remake da história original, mantendo a base já conhecida mas tornando-a mais moderna, juntamente com o acrescento de elementos de terror. A ideia, à partida, pareceu-me engraçada. Até os fãs mais puristas da escritora inglesa o podem admitir: se fosse bem executado, poderia tornar-se numa alternativa original e divertida. Mas a verdade é que não é – ou, pelo menos, eu não achei que fosse.

Ao invés de reescrever o livro, Seth Grahame-Smith limitou-se a fazer um trabalho de “corta e cola”, retirando algumas partes do texto original para inserir vários parágrafos que introduzem na história o flagelo dos zombies e dos seus ataques. Lizzy Bennet e as suas irmãs são ferozes lutadoras, treinadas para combater os “inomináveis” que assolam o território inglês. Aqui e ali são introduzidos ataques de zombies, mas de resto a história é tal e qual como já a conhecemos, palavra por palavra. É perfeitamente notório quem escreveu o quê, o que torna o texto, no seu cômputo geral, muito estranho e incongruente. Para que tal não acontecesse, exigia-se um escritor de um nível que conseguisse acompanhar o da Jane Austen, mas Seth Grahame-Smith tem uma prosa demasiado simplista.

As cenas em que os zombies aparecem são pouco entusiasmantes e tudo parece ser resolvido sem grande problema… Não há um pequeno desvio à história original, nenhuma inovação, nada. Pouco tenho a dizer em benefício deste livro, para além de achar a ideia inicial original. As únicas partes de que gostei foram as que pertencem ao texto original… mas, para isso, mais valia relê-lo.

De um modo geral, não é um livro que recomende. Tenho pena que assim seja, mas infelizmente não dei o meu tempo por bem empregue. 

Classificação: 3/10 – Mau

Livro n.º 71 de 2010


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.