Home / 7/10 / [Opinião] Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes, de João Céu e Silva

[Opinião] Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes, de João Céu e Silva

Autor: João Céu e Silva
Editora: Porto Editora
Páginas: 494
ISBN: 978-972-0-04070-1
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: No armazém onde escreve, António Lobo Antunes alimenta-se da difusa claridade do criador premiado e com sucesso em todo o mundo mas, ao mesmo tempo, gasta-se na escuridão do homem marcado pelas vaidades que protagonizou no passado, por um dia de violência que não esquece em Angola e pela ausência de uma paixão que o cegue para a eternidade. Houve momentos suaves nestes meses de bastante conversa, mas não muitos, porque as suas confissões resultam do verdadeiro conflito que mantém com a vida, da contínua dificuldade em ouvir o que as vozes da literatura lhe dizem e da necessidade de deixar registado um trabalho inigualável quando comparado com os escritores contemporâneos.

Ao longo desta viagem, António Lobo Antunes sorriu e chorou, contou segredos e anedotas, blasfemou e perdoou, foi cruel com quem não se espera, nada simpático com os autores de bestsellers, deixou ver como concebe um livro do princípio ao fim, confessou o medo de um dia ser incapaz de iniciar um romance, desabafou sobre o amor falhado com a mulher da sua vida, radiografou as relações com a família, revelou o pânico de voltar a sofrer com o cancro, explicou porque é que já não espera quase nada dos anos que lhe falta viver e assumiu que as tendências suicidas ainda não o abandonaram. Uma entrevista que foi uma longa-metragem dos muitos medos e das poucas alegrias que fazem de António Lobo Antunes o único autor português que só vive para o ofício da escrita, mesmo que à beira do apocalipse pessoal.
Uma Longa Viagem com António Lobo Antunes será, a partir de agora, o retrato mais verdadeiro do escritor que sempre se proibiu de contar toda a sua verdade.

Opinião: Um livro de entrevistas é sempre complicado de definir, ainda por cima quando são feitas num espaço de tempo alargado, como estas que decorreram num espaço 3 anos. Isto possibilita que a pessoa entrevistada possa contradizer-se facilmente, o que, sendo o entrevistado o escritor António Lobo Antunes, acontecerá várias vezes.

Depois de Miguel Torga e José Saramago, dois autores que tenho imensa curiosidade em conhecer os seus livros de entrevistas, João Céu e Silva convida-nos a entrar no mundo do escritor António Lobo Antunes.

Nesta “Longa Viagem com António Lobo Antunes”, o entrevistado leva-nos a viajar pela sua vida, e apesar de ser uma entrevista, o livro acaba por ser um monólogo, onde só ele é que decide para onde nos leva, definindo claramente o caminho que lhe interessa seguirmos.

Conhecemos o seu método de trabalho, aliás acompanhamos, com imensa curiosidade e bastante interesse, a escrita de dois livros, os seus gostos, as suas alegrias, a amizade que tem por certas pessoas, as suas relações amorosas, a sua criação de certos “mitos”, os seus fantasmas, a relação com a literatura, a curiosidade em conhecer novos autores portugueses , que dará lugar a um certo pessimismo, os críticos, e os seus ódios de estimação, principalmente dentro do meio literário. Curiosa a sua “ relação” com Saramago: apesar de mostrar sempre inimizade e rancor, não hesita, em alguns momentos, em destacá-lo como dos melhores escritores no panorama literário português.

António Lobo Antunes cria e alimenta a imagem de um escritor sofredor, com vida difícil, com tendências suicidas, bastante pessimista, onde o seu passado continua a atormentar o seu presente. Por vezes, ficamos na dúvida se as histórias que ele conta sobre a sua vida são retiradas dos seus livros, se aconteceram ou apenas inventadas no momento. Se em situações como na descrição da amizade com algumas pessoas, na relação com a literatura e nas recordações da guerra colonial sentimos sinceridade nas suas palavras, noutros momentos sentimos a sensação de dúvida.

Indispensável para quem é fã e para uma melhor compreensão do seu, ou melhor, dos seus mundos. – Ricardo

Classificação: 7/10 – Bom


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.