2014 Reading Challenge

2014 Reading Challenge
Célia has read 0 books toward her goal of 75 books.
hide

Estou a Ler

Newsletter

Arquivo

Creative Commons License This blog by Estante de Livros is licensed under a Creative Commons Atribuição-Não a Obras Derivadas 2.5 Portugal License.

Visitas desde 20/07/2007

Arquivo da categoria ‘Arthur Conan Doyle’

[Opinião] Regresso de Sherlock Holmes #3, de Arthur Conan Doyle

Wednesday, March 26, 2014 Post de Célia

6744290Autor: Arthur Conan Doyle
Título Original:
The Adventure of the Empty House (1903), The Adventure of the Norwood Builder (1903), The Adventure of the Dancing Men (1903)
Editora: Global Notícias
Páginas: 95
ISBN: 9789895545698
Tradutor: n.d.

 

Sinopse: O Regresso de Sherlock Holmes inclui originalmente treze contos de histórias do detective Sherlock Holmes, publicados em 1905. Os contos foram divulgados pela primeira vez na revista Strand Magazine, nos anos de 1903 e 1904. Neste segundo livro de histórias estão reunidos A Casa Vazia, O Construtor de Norwood e Os Dançarinos.

 

Opinião: Este é o terceiro e último volume que inclui contos do Regresso de Sherlock Holmes nesta coleção, e era também o último livro desta coleção que tinha por ler. Abaixo fica um pequeno resumo dos contos incluídos neste livro e, se seguirem o link, podem aceder a uma versão online, em inglês, de cada um.

 

Charles August Milverton – A personagem que dá nome a este conto é o maior canalha de Londres, de acordo com Sherlock Holmes, porque se dedica a intercetar missivas privadas e a usá-las para chantagear os seus intervenientes. No início desta história, o dito visita Holmes porque as cartas de uma jovem prestes a casar com um conde chegaram às suas mãos e Holmes irá tentar negociar com o homem. Só que este mostra-se implacável e a dupla Holmes/Watson terá de recorrer a outros expedientes para resolver o caso. Um bom conto, mas que não achei memorável.

 

O Atleta Desaparecido – Godfrey Staunton é o melhor jogador de râguebi do país e, na véspera de um jogo importantíssimo, desaparece sem deixar rasto. O treinador da equipa de Cambridge, onde Godfrey joga, procura Sherlock Holmes antes do jogo, pedindo a sua ajuda para encontrar o jogador desaparecido. O facto de ser o melhor jogador da equipa e de ser, ao mesmo tempo, herdeiro de uma enorme fortuna fazem Sherlock desconfiar que tudo está relacionado, mas a verdade acaba por ser revelar inesperada. Apesar da surpresa no desenlace final, achei-o desinteressante e anti-climático, pelo que este não foi dos meus contos preferidos.

 

A Granja da Abadia – Sherlock Holmes é chamado por um antigo conhecido seu para investigar um aparente assalto que resultou na morte do marido e no ferimento da mulher. Quando Sherlock chega ao local, ouve os participantes no caso e investiga a cena do crime descobre, como é costume, que os indícios apontam numa explicação bem mais complicada do que a mais óbvia. Um conto ao nível dos dois anteriores, que não me cativou muito pelo facto de ter adivinhado os contornos do crime antes de terem sido revelados pelo detetive. Contudo, gostei do final.

 

E, com este livro, termino de ler a coleção Sherlock Holmes que saiu com o DN/JN no verão de 2009. Essa coleção tinha 12 volumes, nos quais se incluiu, ao todo, 32 dos 56 contos que são considerados no cânone do detetive:

  • 10 dos 12 contos de As Aventuras de Sherlock Holmes
  • 10 dos 12 contos de As Memórias de Sherlock Holmes
  • 9 dos 13 contos de O Regresso de Sherlock Holmes
  • 3 dos 7 contos de O Último Adeus de Sherlock Holmes
  • 0 dos 12 contos de The Case-Book of Sherlock Holmes

Para além dos contos, distribuídos em 10 dos 12 volumes desta coleção, temos ainda 2 dos 4 romances que Arthur Conan Doyle escreveu com o famoso detetive, Um Estudo em Vermelho e O Signo dos Quatro. Por isso, é fácil perceber que quem ler esta coleção irá apenas ler pouco mais de metade do que foi escrito sobre Sherlock Holmes. No entanto, para quem, como eu, nunca tinha lido nada sobre o detetive, foi um bom começo. Gostei, de um modo geral, das histórias que li; uma vez ultrapassada a estranheza em relação à personagem e aos seus modos e meios de dedução, acabamos por sentir alguma afinidade com Sherlock e de achar piada à sua relação com Watson. Apesar de um ou outro problema com estas edições e de não conterem todas as histórias do detetive, pelo preço que me custaram, chego à conclusão que compensou.

 

Classificação: 2/5 – OK


6699667Autor: Arthur Conan Doyle
Título Original:
The Adventure of the Empty House (1903), The Adventure of the Norwood Builder (1903), The Adventure of the Dancing Men (1903)
Editora: Global Notícias
Páginas: 95
ISBN: 9789895545698
Tradutor: n.d.

 

Sinopse: O Regresso de Sherlock Holmes inclui originalmente treze contos de histórias do detective Sherlock Holmes, publicados em 1905. Os contos foram divulgados pela primeira vez na revista Strand Magazine, nos anos de 1903 e 1904. Neste segundo livro de histórias estão reunidos A Casa Vazia, O Construtor de Norwood e Os Dançarinos.

 

Opinião: Este segundo volume dedicado ao Regresso de Sherlock Holmes inclui mais 3 contos de um total de 13 publicados. Abaixo fica um pequeno resumo dos contos incluídos neste livro e, se seguirem o link, podem aceder a uma versão online, em inglês, de cada um.

 

A Casa Vazia – Este conto foi o escolhido por Arthur Conan Doyle para fazer regressar o seu famoso detetive do mundo dos mortos, onde o tinha colocado após a publicação do conto “O Problema Final”. Após alguma pressão por parte dos leitores, Conan Doyle decidiu ressuscitá-lo nesta história que começa com o misterioso assassinato do segundo filho de um conde, um jovem aparentemente sem vícios, com exceção das cartas. Quando aparece morto nos seus aposentos, sem vestígios de alguém ter entrado ou saído dos mesmos, Watson tenta analisar os factos mas sem chegar a grandes conclusões. E é aqui que Holmes faz a sua reaparição, para surpresa do velho amigo, que o julgou morto nos últimos três anos. A história de como Holmes sobreviveu e os motivos que o levaram a manter-se no anonimato acabam por revelar-se relacionadas com o homicídio em análise, e é muito interessante a forma que o autor escolheu para apresentar de novo Holmes aos seus leitores. Gostei bastante deste conto.

 

O Construtor de Norwood – Um construtor reformado desaparece misteriosamente e tudo aponta para que o culpado seja um advogado que o desaparecido incluiu no seu testamento. De facto, tudo aponta para que ele tenha sido queimado, mas como seria de esperar Sherlock Holmes acaba por descobrir que as aparências iludem. Foi um conto interessante, mas que não me cativou em pleno.

 

Os Dançarinos – Um jovem recém-casado procura Sherlock Holmes para tentar desvendar o aparecimento em sua casa de conjuntos de bonecos dançarinos, pintados em vários sítios ou em papel. Esse jovem, Hilton Cubitt, suspeita que a mulher saiba alguma coisa acerca destes símbolos, mas recusa-se a pressioná-la devido a uma promessa que lhe fez quando casaram, ocasião em que ela lhe pediu para não fazer perguntas sobre o seu passado. Os dançarinos teimam em aparecer e o seu significado acaba por ser muito mais perigoso do que poderia parecer à primeira vista. Sherlock Holmes, com a sua sagacidade, percebe rapidamente o que significam, mas ainda assim isto não é suficiente para evitar a tragédia. Gostei muito deste conto, não só por estar escrito de uma forma que cativa o leitor e que aguça a sua curiosidade, mas principalmente por mostrar que, apesar de tudo, Sherlock Holmes não é perfeito.

 

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


6690912Autor: Arthur Conan Doyle
Título Original:
The Adventure of the Solitary Cyclist (1912), The Adventure of the Priory School (1903), The Adventure of Black Peter (1904)
Editora: Global Notícias
Páginas: 96
ISBN: 9789895545674
Tradutor: n.d.

 

Sinopse: O Regresso de Sherlock Holmes inclui originalmente treze contos de histórias do detective Sherlock Holmes, publicados em 1905. Os contos foram divulgados pela primeira vez na revista Strand Magazine, nos anos de 1903 e 1904. Neste primeiro livro de histórias estão reunidos A Ciclista Solitária, A Escola do Priorado e Pedro Negro.

 

Opinião: Estou a chegar aos últimos livros com contos do Sherlock Holmes que tenho em casa por ler. O Regresso de Sherlock Holmes foi uma coletânea de contos decorridos após a suposta morte do detetive, que nos foi apresentada em “O Problema Final” (incluído nesta coleção no livro Memórias de Sherlock Holmes #1). Abaixo fica um pequeno resumo dos contos incluídos neste livro e, se seguirem o link, podem aceder a uma versão online, em inglês, de cada um.

 

A Ciclista Solitária – Uma jovem professora de música, orfã de pai, procura Sherlock Holmes para lhe dar contra de estranhas ocorrências que rodeiam as suas deslocações de e para o local onde leciona música. Durante uma parte do percurso, que faz de bicicleta, a jovem é seguida por um desconhecido que, a dada altura, desaparece. Este enredo inclui bastante ação e é interessante, apesar de, na minha opinião, ter um desfecho um pouco previsível.

 

A Escola do Priorado – Um rapaz herdeiro de uma das maiores fortunas de Inglaterra desaparece do colégio interno onde permanecia e tudo indica que foi pelo próprio pé. O dono do colégio procura Sherlock Holmes, muito preocupado com a sua reputação, em busca de ajuda para resolver o caso. O que começou por me parecer um caso previsível, acabou por ter uma resolução inesperada e interessante. Gostei bastante.

 

Pedro Negro – Quando esta história se inicia, já Holmes estava a meio da investigação, mas como é Watson o narrador, só quando este último “entra” no caso é que tomamos conhecimento do que se tem passado. Peter Carey, o “Pedro Negro”, é um ex-marinheiro com um feitio muito complicado, que é brutalmente assassinado na cabana onde residia. Um visitante inesperado ao local do crime é a chave para a resolução deste mistério, que sinceramente pouco me cativou.

 

Mais um bom conjunto de histórias, dentro daquilo a que Sherlock Holmes já nos habituou. Apesar de não ter sentido o mesmo nível de interesse por todos os contos, ficam desta leitura os bons momentos passados juntos a este peculiar detetive.

 

Classificação: 3/5 – Gostei


6673002Autor: Arthur Conan Doyle
Título Original:
The Adventure of the Bruce-Partington Plans (1912), The Adventure of the Devil’s Foot (1910), The Adventure of the Cardboard Box (1892)
Editora: Global Notícias
Páginas: 95
ISBN: 9789895545728
Tradutor: n.d.

 

Sinopse: O Último Adeus de Sherlock Holmes inclui originalmente oito contos de histórias do detective Sherlock Holmes, publicados em 1917. Os contos foram divulgados pela primeira vez na revista Strand Magazine, nos anos de 1893 e de 1908 a 1917. Neste livro de histórias estão reunidos Os Planos do Submarino Bruce-PartingtonO Pé do Diabo e A Caixa de Papelão.

 

Opinião: Das últimas histórias publicadas por Arthur Conan Doyle envolvendo o detetive Sherlock Holmes, oito no total, apenas três tiveram direito a integrar esta coleção. Aqui fica então um pequeno resumo e opinião de cada um dos contos incluídos neste volume (seguindo o link nos títulos dos contos, podem ler o conto respetivo em inglês):

 

Os Planos do Submarino Bruce-Partington – Mycroft Holmes, o irmão de Sherlock, faz uma rara aparição em Baker Street para pedir o auxílio do irmão na resolução de um caso importantíssimo para o Estado inglês: o desaparecimento de uns planos ultra-secretos para a construção de um submarino vital na política internacional inglesa. Um dos membros do gabinete estatal onde os planos se encontravam aparece morto numa estação de metro com parte dos planos no bolso, e apenas Sherlock tem a perspicácia de descobrir o que realmente aconteceu. Foi, das três histórias, aquela que mais gostei, pelas reviravoltas no enredo e pelo desenlace inesperado.

 

O Pé do Diabo – Sherlock Holmes tem a saúde fragilizada e decide partir para um retiro campestre a fim de se recompôr. Com ele segue Holmes, mas o descanso dura pouco tempo quando, perto deles, um acontecimento misterioso tem lugar. Uma mulher aparece morta à mesa onde na noite anterior se tinha sentado para jogar cartas, e os seus dois irmãos continuam ao lado dela, completamente enlouquecidos. Suspeita-se que o diabo tenha feita uma aparição, mas Sherlock Holmes descobre alguns indícios de que a explicação para este estranho acontecimento seja bem diferente. Gostei da história, apesar de preferir enredos citadinos nos contos de Sherlock Holmes.

 

A Caixa de Papelão – Uma senhora aparentemente inócua recebe em sua casa uma caixa de papelão que inclui duas orelhas humanas. Sherlock Holmes e Watson acorrem ao local para investigar o caso, cuja resolução acaba por ser demasiado fácil para as capacidades de Holmes. Este conto foi, dos três, aquele de que menos gostei, porque me pareceu muito apressado e o mistério, de um modo geral, menos cativante.

 

Após a leitura destes três contos fica a pena de não terem sido publicados mais contos de “O Último Adeus de Sherlock Holmes” nesta coleção. Estou a ponderar lê-los num futuro próximo.

 

Classificação: 3/5 – Gostei


[Opinião] O Signo dos Quatro, de Arthur Conan Doyle

Friday, March 7, 2014 Post de Célia

6726816Autor: Arthur Conan Doyle
Título Original:
The Sign of Four (1890)
Editora: Global Notícias
Páginas: 119
ISBN: 9789895545667
Tradutor: n.d.

Sinopse: O Signo dos Quatro é um romance escrito por Sir Arthur Conan Doyle, publicado originalmente pela Lippincott’s Magazine em Fevereiro de 1890, sendo a primeira edição em formato de livro publicada em Outubro do mesmo ano. É a segunda história da saga do célebre detective Sherlock Holmes. Mary Morstan pede auxílio a Holmes para descobrir o que aconteceu ao seu pai, que morrera dez anos antes. Quatro anos após a morte do pai, ela começou a receber anualmente uma pérola de grande valor. Até que um dia recebeu um bilhete a marcar um encontro.

 

Opinião: Continuo a seguir as aventuras de um dos mais famosos detetives da literatura, desta vez com uma das quatro histórias mais longas que contam com a presença de Sherlock Holmes (fica apenas a faltar-me The Valley of Fear). Esta minha leitura foi feita em audiobook, e ainda bem, depois de ter detetado um problema com a versão portuguesa que tenho.

 

Em O Signo dos Quatro, Holmes e Watson são procurados por Mary Morstan, que tem na sua posse um bilhete a convidá-la para um encontro que promete esclarecer o desaparecimento misterioso do seu pai há 10 anos. O bilhete é acompanhado ainda por uma pérola, que se junta a outras tantas que Mary tinha vindo a receber ao longo de 6 anos. Mary deseja assim que Holmes e Watson a acompanhem a esse encontro e a ajudem a desvendar estes misteriosos acontecimentos.

 

Trata-se de um enredo policial algo complexo, pelos constantes acontecimentos e ramificações da história, envolvendo um tesouro roubado proveniente da Índia, traições, dissimulações e mortes. Confesso que não achei o enredo suficientemente cativante, mas isso foi, de certo modo, compensado pela brilhante presença de Sherlock Holmes em tudo isto, que coloca mais uma vez as suas capacidades únicas de dedução ao serviço da resolução deste mistério. É ainda um livro com espaço para o desenvolvimento das personagens e em que Watson encontra a sua cara-metade.

 

Por isso, foi um livro que, não me tendo cativado de forma absoluta, se tornou numa leitura agradável e recomendada aos fãs do detetive.

 

 

Classificação: 3/5 – Gostei