Home / Artigos / Balanço Mensal – Março 2018

Balanço Mensal – Março 2018

Os livros lidos em março foram os seguintes: 

Março foi um mês em que li uma menor quantidade de livros, mas ainda assim dei a pontuação máxima a três dos cinco livros que concluí. Moby Dick foi, como devem imaginar, o ponto alto do meu mês, que se transformou num favorito da vida. São umas cinco estrelas especiais, sem dúvida.

Livros lidos em 2018: 22
Total de páginas lidas no mês: 2.062
Total de páginas lidas em 2018: 8.103
Média de páginas por livro em 2018: 368
Média de páginas lidas por dia em 2018: 91

Lá se foi a greve na compra de livros! Entre os que chegaram cá a casa provenientes de parcerias e os que comprei, estão os seguintes: 

  • A Última Travessia, Lone Theils
  • Kintsukuroi – a arte de curar feridas emocionais, Tomás Navarro
  • A Vida Secreta da Mente, Mariano Sigman
  • História de Adormecer para Raparigas Rebeldes, Elena Favilli e Francesca Cavallo 
  • Mrs. Dalloway, Virgina Woolf
  • Contos, Franz Kafka
  • A Quadrilha de Rubber, Rex Stout
  • O Enigma do Sapato Holandês, Ellery Queen
  • Solaris, Stanislaw Lem
  • A Seca, Jane Harper

Ler 70 livros em 2018: 70 livros num ano dá uma média de 5,8 livros por mês. Até ao fim de março a média está em 7,4.
Diminuir a pilha de livros por ler: Li até agora 19 livros da pilha e entraram 24 livros na estante. Oh well…
Ler 19% ou mais de autores portugueses: Propus-me a ler 19% ou mais de autores portugueses do total de livros do ano. Até ao final de março, 23% do que li foi escrito por autores portugueses.
Ler, pelo menos, um livro de José Saramago e outro de Thomas Mann: ainda não cumprido. Estas leituras estão pensadas para os próximos meses.
Projeto Robin Hobb: Contava já levar Royal Assassin lido no final de março, mas a verdade é que não lhe peguei ao longo deste mês. Vou tentar recuperar em abril.
Mount TBRLer 36 livros da pilha ao longo do ano significa uma média de 3 livros por mês. Até ao final de março, li 9 (média de 3/mês).
Monthly Motif: Em março, a ideia era ler “um livro que decorra num país diferente do teu, escrito por um autor de outro país ou um livro em que as personagens viajem“. O livro escolhido foi Uma Esperança mais Forte que o Mar”, de Melissa Fleming. Leitura ainda em andamento.
Monthly KeyWord: Para março, escolhi a palavra Hope. Para este desafio o livro escolhido foi também Uma Esperança mais Forte que o Mar”, de Melissa Fleming. Leitura ainda em andamento.
12 livros em 2018: Tinha pensado pegar em Húmus, de Raul Brandão, neste mês, mas… acabei por não lhe conseguir chegar. Veremos se consigo encaixar este livro num dos próximos meses.

Em março, os textos publicados na rubrica Refletindo Sobre… abordaram a hipótese de escrever um livro, os tradutores, o Dia do Pai e a relação entre a leitura e a saúde mental. Também este mês partilhei uma lista de 10 livros para ler num dia

  • Março começou com uma notícia triste para quem gosta de livrarias independentes: a Pó dos Livros, em Lisboa, encerraria a sua atividade a 31 de março. Ainda a este propósito, destaco o artigo de Pedro Vieira.
  • O dono do Yeatman (cadeia hoteleira) quer fechar livraria histórica do Porto.
  • Também a Livraria Trindade esté prestes a desocupar os espaços onde está há décadas porque o senhorio não lhes quer renovar o contrato de arrendamento.
  • Se ainda não conhecem a escritora Roxane Gay, deveriam. Ela escreveu o fantástico Um Estado Selvagem e o Observador dedicou um artigo ao seu livro mais recente Hunger, que não tem publicação prevista em Portugal.
  • A homenagem do Correntes d’Escritas 2018 ao escritor brasileiro Luís Fernando Veríssimo foi o mote para o perfil que o também escritor Nuno Costa Santos lhe dedicou.
  • Entre 21 e 25 de março decorreu a Feira do Livro da Poesia, no Jardim da Parada, em Lisboa.
  • Foram publicados dois livros inéditos da escritora açoriana Natália Correia.
  • Tolkien ponderou destruir “O Senhor dos Anéis”. Um amigo salvou o manuscrito do fogo (e ainda bem, digo eu!).
  • A Semana da Leitura, promovida pelo Plano Nacional de Leitura, decorreu entre 5 e 9 de março com diversas iniciativas.
  • Aqui está um artigo com algumas das novidades literárias de março.
  • A Livraria Lello inaugurou em março o programa “Autor do Mês”. O primeiro convidado foi Valter Hugo Mãe.   
  • No Público, um artigo sobre a tendência de publicações feministas no mercado português.
  • Conversa com Eric Nepomuceno, autor brasileiro recentemente publicado em Portugal pela primeira vez.
  • Dentro da tendência recente de livros que destacam mulheres notáveis, As Cientistas, de Rachel Ignotofsky, chegou recentemente às livrarias e merece uma vista de olhos.
  • Ainda sobre a nova Livraria Solidária de Carnide, em Lisboa.
  • Durante o Festival Literário da Madeira, José Luís Peixoto, Sofi Oksanen e Eleanor Catton discutiram a ficção, considerando que escrever é uma forma de intervenção política, social ou cultural. Ainda sobre este tema, outro artigo da Rádio Renascença.
  • Aproveitando a passagem de Eleanor Catton por Portugal, aqui fica uma entrevista com a escritora. Também Ottessa Moshfegh deu duas entrevistas, aqui e aqui. Sofi Oksanen falou com o Observador aqui.
  • Rosa Oliveira venceu o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017, com o livro de poesia “Tardio”.
  • Portugal vai ser o convidado de honra da Feira do Livro de Leipzig em 2021.
  • Em março faleceu o escritor escocês Philip Kerr e o escritor António de Andrade Albuquerque, que se notabilizou no romance policial com o pseudónimo Dick Haskins. Anita Shreve também faleceu este mês, aos 71 anos.
  • O livro Extremo Ocidental, de Paulo Moura, venceu por unanimidade o Grande Prémio de Literatura de Viagens Maria Ondina Braga, instituído pela Associação Portuguesa de Escritores (APE).
  • Livro de homenagem faz retrospetiva da vida de Alice Vieira nos seus 75 anos.
  • O Dia Mundial da Poesia celebrou-se a 21 de março e foi assinalado em Portugal com diversas iniciativas.
  • O escritor espanhol Fernando Aramburu falou à Lusa sobre o seu romance “Pátria”.
  • Entrevista de Sandro William Junqueira a propósito do seu novo livro Quando As Girafas Baixam o Pescoço.
  • Criada por iniciativa espontânea de um grupo de estudantes da localidade, a Biblioteca Pública do Perosinho, em Gaia, celebrou este sábado quatro décadas de actividades culturais que vão além da cedência de livros.


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.