Home / 3/5 / Opinião: Da Direita à Esquerda | António Araújo

Opinião: Da Direita à Esquerda | António Araújo

Autores: António Araújo
Ano de Publicação Original:
 2016
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 384
ISBN: 9789897730078
Origem: Comprado

Sinopse: Começando por retratar a cultura de direita portuguesa dos anos 80 aos nossos dias, o autor debruça-se sobre os grandes pontos de clivagem que, pelo menos à superfície, continuam a dividir as culturas de esquerda e de direita em Portugal. Percorrendo diversas tendências contemporâneas como a proliferação do lifestyle e do trendy, a revisitação light do salazarismo, os livros de auto-ajuda e outras taras actuais, a sociedade portuguesa é apresentada como adversa a extremismos, realçando-se as muitas afinidades ocultas entre direita e esquerda – mais numerosas e profundas do que costumamos julgar.

Opinião: O meu interesse pela política é relativamente recente. A crise económica que trouxe a troika a Portugal e que nos impôs tantos sacrifícios foi, sem dúvida, o principal motivo para começasse a olhar para a política a sério e a tentar perceber, afinal, quem são as pessoas que governam o meu país, como o fazem, porque o fazem e, acima de tudo, como avalio a sua atuação e a forma como passam (ou não) das palavras aos atos. Fica desde já a ressalva, ainda que provavelmente não seja muito relevante para a opinião do livro em causa, de que me identifico maioritariamente com ideais de esquerda, na medida em que, num plano meramente teórico, é neste quadrante político que considero estarem as ideias que me permitirão viver num mundo mais justo e igualitário. 

Em Da Direita à Esquerda, António Araújo admite sempre as diferenças ideológicas existentes entre as fações políticas de direita e de esquerda, mas mostra, com muitos e variados exemplos, que na prática existem afinidades mais ou menos percetíveis, que acabam por esbater as distâncias no plano teórico. O autor acaba por concluir que as clivagens essenciais na nossa sociedade estão relacionados com o fosso existente entre as elites e o povo e não tanto com as ideologias adotadas, o que é uma ideia interessante e que me deu muito que pensar.

O livro em si acaba por extravasar um bocado o cenário político, ainda que trace com algum detalhe o percurso da direita portuguesa pós-Revolução. São mais que muitas as referências culturais e sociais, o que, por um lado, permite uma perspetiva muito mais geral sobre a nossa sociedade, mas por outro lhe faz perder um pouco o foco face ao seu objetivo inicial. Ou, pelo menos, foi isso o que senti.

No final de contas, penso que é um livro bastante interessante sobre o Portugal dos nossos dias. Serviu-me questionar e para refletir sobre quem governa o meu país e sobre a forma como olhamos para a política e os políticos.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.