Home / 3/5 / Opinião: Ser Feliz Todos os Dias | Catarina Beato

Opinião: Ser Feliz Todos os Dias | Catarina Beato

Autores: Catarina Beato
Ano de Publicação Original:
 2018
Editora: Matéria-Prima
Páginas: 184
ISBN: 9789897691225
Origem: Recebido para crítica
Comprar aqui (link afiliado)

Sinopse: Ser feliz é, acima de tudo, uma decisão. Implica saber aceitar, ter coragem e força para mudar e agradecer tudo o que se recebe, mesmo nos dias em que nada parece ser suficiente. Não sendo fácil, é possível. Não sendo óbvio, é viável. Não sendo simples, todos somos capazes de lá chegar. Este livro, que nasce da experiência pessoal da autora, Catarina Beato, uma das bloguers mais influentes do país, pretende ser o parceiro privilegiado nessa busca pela felicidade. Com exercícios de mudança, histórias de superação e espaço para registo pessoal, Ser Feliz Todos os Dias é uma ferramenta fundamental na decisão de felicidade diária.

Opinião: Antes de ter iniciado este livro, devo dizer que já conhecia a Catarina Beato do seu blogue, Dias de uma Princesa, que acompanhei com assiduidade durante algum tempo. Por circunstâncias várias, não o tenho seguido nos últimos tempos, mas recordo-o como um local com textos inspiradores e genuínos. 

A Catarina que fui encontrar em Ser Feliz Todos os Dias é a mesma de que me recordo, apesar de várias coisas terem acontecido na sua vida nos últimos anos. Há algo com o qual me identifico bastante nela, que é a evidente falta que o pai lhe faz. Aliás, é precisamente a morte do pai o acontecimento que ela refere como catalisador para a forma como tenta levar a sua vida no presente: “numa estranha e doce ironia, o acontecimento mais triste da minha vida foi também aquele que me ensinou a ser feliz.” Este é o mote deste livro, a capacidade que o ser humano tem, mesmo que disso não se aperceba, para pegar nas coisas menos boas que lhe acontecem e transformá-las em ensinamentos e fonte de forças futuras.

Todos queremos ser felizes, obviamente, mas também é verdade que é impossível sê-lo todos os dias, a toda a hora. Catarina Beato tem consciência disso, apesar de o título do livro poder indicar o contrário. Ela acredita que podemos tentar encontrar um bocadinho de felicidade todos os dias, nem que seja só por uns momentos, e daí conseguirmos ser mais positivos. Ou seja, tentar ver sempre o copo meio cheio.

A autora faz questão de referir que esta é a realidade dela e que, porventura, para pessoas em contextos extremos mais complicados, estas ideias poderão não ser válidas, mas acrescenta que existem exemplos de pessoas, como Malala ou Nélson Mandela, que mesmo no meio de grande adversidade conseguiram vingar. Tudo isto é verdade, mas acho que poderia ter sido melhor explorada a eventual dificuldade que pessoas com doenças mentais poderão sentir em aplicar no seu dia-a-dia as ideias que a autora nos oferece. Há dias em que o simples ato de sair da cama é a coisa mais corajosa de sempre. Mas, no final de contas, continua a estar nas mãos dessas pessoas fazê-lo, procurar ajuda e tentar, assim, tornar a sua vida um pouco melhor.

Gostei da forma positiva como este livro olha para a vida. Senti que boa parte do que Catarina Beato diz faz sentido e tem potencial inspirador. Acho que a ideia de pôr os nossos pensamentos por escrito é muito boa – o próprio livro tem vários espaços para respondermos a questões cujo objetivo é fazer o leitor refletir sobre os temas que a autora explora. Adorei a ideia do registo diário de coisas boas, para provarmos a nós próprios que podemos realmente encontrar sempre alguma coisa de positivo nos nossos dias. Resta-me só acrescentar que este é um livro muito bonito, com um aspeto gráfico muito apelativo e cuidado, que gostei sinceramente de folhear.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.