Home / 3/5 / Opinião: Vemo-nos no Cosmos | Jack Cheng

Opinião: Vemo-nos no Cosmos | Jack Cheng

Autor: Jack Cheng
Título Original:
 See You in the Cosmos (2017)
Editora: Nuvem de Letras
Páginas: 320
ISBN: 9789896652760
Tradutor: Francisca Cortesão
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Alex é um rapaz de onze anos obcecado com o Espaço. Construiu um foguetão e apanhou um comboio rumo ao festival de lançamento de foguetões artesanais. Numa viagem cujo destino insiste em mudar a cada paragem, Alex irá aprender que nem tudo é o que parece, que a família perde-se e ganha-se ao longo do caminho, e que a coragem, a verdade e o amor são as únicas bússolas de que realmente precisamos.

Opinião: Desde a primeira página de Vemo-nos no Cosmos, percebemos que Alex, de 11 anos, é uma criança especial. Os capítulos deste livro são transcrições das gravações que Alex está a acumular no seu iPod dourado, objeto que pretende enviar para o espaço quando o foguetão que está a construir lá chegar. Alex tem uma admiração enorme por Carl Sagan (nome que deu, aliás, ao seu cão), e pretende, com esta ideia, emular os famosos Discos Dourados que Carl Sagan incluiu nas missões Voyager, em 1977.

À medida que o livro vai avançando, é difícil não sentir uma enorme empatia pela ingenuidade de Alex face às vicissitudes do dia-a-dia e à sua vida familiar, mesmo que esta esteja longe de ser a ideal. Alex tem o condão de ver a bondade nas pessoas, parecendo muitas vezes muito mais adulto do que a sua idade deixaria adivinhar (tem 11 anos, mas a responsabilidade de um miúdo de 13, como sublinha amiúde). Aliás, penso que o maior desafio para o autor terá sido precisamente encontrar um equilíbrio entre a distinta inteligência de Alex e as atitudes próprias de qualquer miúdo de 11 anos, fazendo-o parecer real. Quanto a mim, foi bastante bem conseguido. Para além disso, a forma como Jack Cheng consegue fazer com que o leitor perceba o que se passa no “mundo dos adultos” através da voz de Alex, sem que o próprio tenha noção do que o rodeia, é um dos pontos altos do livro.

Não gostei tanto de algumas opções do enredo. A viagem ao concurso de foguetões dá o pontapé de saída às aventuras de Alex e é muito interessante, mas acaba depressa. As viagens que se seguem pareceram-me um pouco aleatórias e tive alguma dificuldade em discernir o propósito de alguns desenvolvimentos. A parte final do livro acaba por deixar algumas pontas soltas relativamente ao final – um risco que me pareceu assumido pelo autor quando escolheu narrar esta história através das gravações de Alex. Esta particularidade apenas dá ao leitor acesso aos pensamentos da criança e, naturalmente, o fim das gravações implica o final da história.

Vemo-nos no Cosmos acabou por ser uma leitura que me aqueceu o coração. Fico contente por ter escolhido lê-lo nesta altura do ano, quando eventualmente é mais fácil acreditar na bondade do ser humano e quando a importância da família – um tema fulcral do livro – mais se faz sentir.

Classificação: 3/5 –  Gostei


Sobre Célia

Tenho 35 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.