Home / 4/5 / Opinião: Origem | Dan Brown

Opinião: Origem | Dan Brown

DanAutor: Dan Brown
Título Original:
Origin (2017)
Série: Robert Langdon #5
Editora: Bertrand
Páginas: 552
ISBN: 9789722534208
Tradutor: Nuno Castro
Origem: Comprado
Comprar aqui (link afiliado)

Sinopse: Robert Langdon, professor de simbologia e iconologia religiosa da universidade de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbau para assistir a um grandioso anúncio: a revelação da descoberta que «mudará para sempre o rosto da ciência.» O anfitrião dessa noite é Edmond Kirsch, bilionário e futurista de quarenta e dois anos cujas espantosas invenções de alta tecnologia e audazes previsões fizeram dele uma figura de renome a nível global. Kirsch, um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, duas décadas atrás, está prestes a revelar um incrível avanço científico… que irá responder a duas das perguntas mais fundamentais da existência humana. No início da noite, Langdon e várias centenas de outros convidados ficam fascinados com a apresentação tão original de Kirsch, e Langdon percebe que o anúncio do amigo será muito mais controverso do que ele imaginava. Mas aquela noite tão meticulosamente orquestrada não tardará a transformar-se num caos e a preciosa descoberta do futurista pode muito bem estar em vias de se perder para sempre. Em pleno turbilhão de emoções e em perigo iminente, Langdon tenta desesperadamente fugir de Bilbau. Tem ao seu lado Ambra Vidal, a elegante diretora do Guggenheim que trabalhou com Kirsch na organização daquele provocador evento. Juntos, fogem para Barcelona, com a perigosa missão de localizarem a palavra-passe que os ajudará a desvendar o segredo de Kirsch. Percorrendo os escuros corredores de história oculta e religião extremista, Langdon e Vidal têm de fugir de um inimigo atormentado que parece tudo saber e que parece até de alguma forma relacionado com o Palácio Real de Espanha… e que fará qualquer coisa para silenciar para sempre Edmond Kirsch. Numa viagem marcada pela arte moderna e por símbolos enigmáticos, Langdon e Vidal vão descobrindo as pistas que acabarão por conduzi-los à chocante descoberta de Kirsch… e a uma verdade que até então nos tem escapado e que nos deixará sem fôlego. 

Opinião: Há certamente mais de 10 anos que não lia nada de Dan Brown, depois da febre que se gerou aquando da publicação de O Código Da Vinci e Anjos e Demónios. Na altura, li ambos e diverti-me bastante, mas entretanto não voltei a ter vontade de pegar nos seus livros porque, julgo eu, me cansei um pouco de tantos sucedâneos e achei que os seus livros não me trariam nada de novo. Isso mudou aquando da passagem do autor este mês por Portugal, numa sessão de que gostei genuinamente e que me fez questionar se esta não seria uma boa altura de voltar às aventuras de Robert Langdon. 

Há uma coisa que tenho de elogiar em Dan Brown, apesar de todos os defeitos que lhe possam ser apontados: ele sabe como manter o leitor agarrado à história. Origem é um livro com mais de 500 páginas que se lêem num ápice. A história é a de um antigo aluno de Robert Langdon, cientista e futurista famoso, que se encontra prestes a anunciar ao mundo a resposta a duas questões fundamentais da humanidade: de onde vimos e para onde vamos? Esta descoberta promete afastar definitivamente a hipótese da existência de Deus e, por isso, tudo é mantido no maior secretismo. Só que algo corre terrivelmente mal durante a apresentação de Edmond, e Langdon parece ser a única pessoa capaz de ultrapassar os obstáculos que se vão colocando para esta descoberta ser finalmente revelada a todo o mundo.

Acho sinceramente que Dan Brown é um escritor mediano com excelentes ideias. Não me parece haver nada de notável na sua escrita, ainda que louve o esforço, nem sempre bem sucedido, de dar alguma profundidade às suas personagens através da construção de passados e dilemas que as tornem mais tridimensionais. Mas a verdade é que não parti para esta leitura com essa expectativa; queria apenas divertir-me e explorar novas ideias e conceitos relacionados com a existência humana e encontrei tudo isso. A tal descoberta, que prometia revolucionar a forma como se olha para a ciência e a religião, demora a ser revelada e, por várias vezes, temi ficar desiludida com o seu conteúdo, depois de tanto suspense. Felizmente, isso não aconteceu.

Penso que o truque para desfrutar dos livros de Dan Brown é não esperar demasiado e termos noção que se trata de literatura para entreter, aspeto no qual é bastante bom. As questões científicas e a exploração da inteligência artificial deixam espaço para reflexão, o que é um bónus muito bem vindo. Portanto, de forma resumida, foi um livro que me entreteve, que me ensinou algumas coisas e me fez refletir sobre outras, e em que os pontos positivos ultrapassaram em muito os negativos. Só por isso valeu muito a pena.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante 


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.