Home / Marlene Ferraz / Novidade Minotauro | As Falsas Memórias de Manoel Luz, de Marlene Ferraz

Novidade Minotauro | As Falsas Memórias de Manoel Luz, de Marlene Ferraz

Título: As Falsas Memórias de Manoel Luz
Autor: Marlene Ferraz
Pág.: 416
Data de Lançamento: 19.10.2017

Após ter recebido o Prémio Miguel Torga, em 2008, e o Prémio Agustina Bessa-Luís, quatro anos depois, Marlene Ferraz mergulha agora no mundo do romance de grande fôlego com “As Falsas Memórias de Manoel Luz”: um livro sobre livros, ilusões, família, amor e loucura, no qual Fernando Pessoa surge como guia num mundo de dicotomias. Uma obra cheia de potencial, editada pela Minotauro, uma chancela do Grupo Almedina que começa, agora, a apostar em autores portugueses. Aclamada pela crítica, que viu a sua última obra como «um romance-pérola» (Público) e elogiou a sua «grande desenvoltura e originalidade na utilização de um vocabulário rico, em vários registos, assim como no desenho das personagens» (Diário de Notícias), Marlene Ferraz também foi abraçada pelos leitores portugueses. Mergulhando no grande desafio de escrever uma obra sobre a construção das nossas biografias, lança-se numa narrativa que acompanha a transição do Estado Novo para a Era da Liberdade, criando um livro sobre livros, sobre a simplicidade das flores e das emoções, e também sobre o desejo de salvação pelo pensamento.

Sobre o livro: Esta é a história de Manoel Luz, um homem de livros que, após a morte de um grande editor, é confrontado com inesperados segredos e circunstâncias que o obrigam a suspeitar da verdade e a recompor a sua narrativa de vida com tantos desacertos e acasos. Depois da revolução de Abril, também o livreiro começa uma renovação na matéria mais íntima: o desejo maior de tornar-se uma figura de poder, que acaba por ser contestado pela vontade tão simples de ser um homem floreiro. O encontro inexplicável com uma rapariga estrangeira, a filha imprevista com nome de flor bravia, e o rapaz louco (e escrevedor de biografias) acompanham Manoel Luz nesta revelação (e aceitamento) de uma realidade improvável, mais deformada e duvidosa, mas compensada pela amplitude (indiscutível) da afeição.  

Sobre a autora: Marlene Ferraz, de 1979, tem os pés pousados em terras a norte. Com o ofício da psicologia, tem vindo a dedicar-se à escrita como um exercício de decomposição da experiência e alinhamento da desordem. Com um amor particular pelo conto, tem publicado Na Terra dos Homens (prémio Miguel Torga 2008), O Amargo das Laranjas (prémio Florêncio Terra 2008) e O Tempo do Senhor Blum e outros contos (prémio Afonso Duarte 2012). A Vida Inútil de José Homem (prémio Agustina Bessa-Luís 2012) revelou-se o primeiro romance e As Falsas Memórias de Manoel Luz a esperada continuidade.


Sobre Célia