Home / 3/5 / Opinião: O Diário Secreto de Laura Palmer | Jennifer Lynch

Opinião: O Diário Secreto de Laura Palmer | Jennifer Lynch

LynchAutor: Jennifer Lynch
Título Original: The Secret Diary of Laura Palmer (1990) 
Editora: Suma de Letras
Páginas: 264
ISBN: 9789896652913
Tradutor: Ana Lourenço
Origem: Recebido para crítica
Comprar aqui (link afiliado)

Sinopse: Laura Palmer – a rapariga de rosto doce de Twin Peaks – escondeu as suas acções mais sombrias e os sonhos mais retorcidos num diário secreto, a partir dos doze anos… até ao dia em que foi assassinada. O diário contém pistas importantes sobre a identidade do seu assassino. E, para os habitantes de Twin Peaks, tem início um mistério que irá obcecá-los a todos…

Opinião: Quando “Twin Peaks” foi originalmente transmitido na tv, tinha 8-9 anos. Na altura, não vi a série, mas a imagem do rosto de Laura Palmer após ter sido descoberta morta no rio foi uma imagem que sempre associei a esta história e a eterna pergunta “Quem Matou Laura Palmer?” um mistério que ultrapassou gerações. A influência e importância de “Twin Peaks” na história das séries televisivas é inegável e a quantidade de seguidores que mantém ao fim de 27 anos é prova disso mesmo. A estreia da terceira temporada da série ao fim destes anos todos foi o pretexto para a reedição deste O Diário Secreto de Laura Palmer (já publicado entre nós em 1991, pela editora Terramar), que me fez finalmente tomar a iniciativa de ver “Twin Peaks”.

E assim fiz: num fim-de-semana de agosto, embrenhei-me nas densas florestas da localidade de Twin Peaks e acompanhei as vidas dos seus habitantes após a descoberta do corpo da jovem Laura Palmer, de 17 anos. Fiquei a par das intrincadas relações entre eles e da estranheza de todo aquele ambiente, que tenho de confessar por vezes me ter parecido algo datado, mas que, ainda assim, achei estranhamente fascinante. Vi apenas a primeira temporada, por isso ainda não sei a identidade do assassino. O Diário Secreto de Laura Palmer, escrito pela filha de David Lynch, Jennifer, foi publicado após o final da primeira temporada da série e pretendia dar-nos a conhecer um pouco mais da vida de Laura, enquanto, presumivelmente, daria ao leitor algumas pistas quanto à identidade do assassino. E foi por isso que decidi lê-lo precisamente após o visionamento da 1.ª temporada, como pretendido pelos criadores da série e pela escritora. 

O Diário Secreto de Laura Palmer tem início quando a jovem completa 12 anos. Depressa percebemos que, apesar da sua juventude, Laura é tudo menos a menina bonita de Twin Peaks, que é a imagem que a grande maioria das pessoas tem dela. Laura descobre a sexualidade e as drogas muito cedo e entra numa espiral de auto-destruição que é visível nas entradas do seu diário. Percebemos estar perante uma personagem complexa, que na maioria das vezes tem noção dos erros que comete, mas que mesmo assim não consegue evitar cometê-los. 

Na maioria das vezes, tive alguma dificuldade em conjugar a idade da personagem com as entradas do diário que me eram apresentadas. Nem foi pelas experiências relatadas, mas mais pela forma adulta como Laura as relata. A densidade e a negritude dos seus pensamentos são enormes e, a páginas tantas, a narrativa assume um caráter tão onírico que o leitor tem dificuldade em distinguir o que é sonho do que é realidade. E, para ser sincera, continuo completamente às escuras quanto à identidade do assassino de Laura, apesar de achar que o BOB a quem ela frequentemente alude está de algum modo relacionado com o seu triste fim.

Apesar de achar que O Diário Secreto de Laura Palmer deixa algo a desejar como objeto literário por si só, é um complemento interessante para os fãs da série Twin Peaks e enriquece a experiência de visionamento. Recomendado aos fãs da série.

Classificação: 3/5 – Gostei 


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.