Home / Graham Moore / Novidade Suma de Letras | A Luz da Noite, de Graham Moore

Novidade Suma de Letras | A Luz da Noite, de Graham Moore

LuzTítulo: A Luz da Noite
Autor: Graham Moore
Pág.: 488
Data de Lançamento: 19.07.2017

Sinopse: Nova Iorque, 1888. Lâmpadas a gás piscam ainda nas ruas da cidade, mas o milagre da luz elétrica está a nascer. Um jovem advogado sem experiência, Paul Cravath, aceita um caso que parece impossível de ganhar. O cliente de Paul, George Westinghouse, foi processado por Thomas Edison, o inventor da lâmpada elétrica, que defenderá a sua patente com unhas e dentes. Mas, então, quem inventou a lâmpada e detém o direito de iluminar a América? Este caso abre o caminho a Paul para o mundo inebriante da alta sociedade – as brilhantes festas no Gramercy Park Mansions e as relações mais insidiosas feitas à porta fechada. Ao mesmo tempo, coloca-o também no caminho de Nicola Tesla, o excêntrico e brilhante inventor, e de Agnes Huntington, uma cantora de ópera e uma artista impecável tanto dentro como fora de cena. Edison é um astuto e perigoso inimigo com vastos recursos à sua disposição – espiões privados, meios de comunicação do seu lado e o apoio financeiro de J.P. Morgan. Mas este desconhecido advogado partilha com o seu famoso adversário uma compulsão por vencer, custe o que custar. A história fala desta luta, mas Graham Moore, o famoso guionista o oscarizado O Jogo da Imitação, conta-a com tal pormenor que parece que também nós estamos ali, entre fórmulas matemáticas e cabos, nas grandes festas de Nova Iorque, assistindo em exclusivo a um espetáculo onde brilha a luz e a inteligência.

Sobre o autor: Graham Moore, escritor de sucesso e realizador, vive em Los Angeles. O seu guião de “O Jogo da Imitação”, para além de vencer o Óscar de melhor guião adaptado, foi nomeado para um BAFTA e um Globo de Ouro. O Homem que Matou Sherlock Holmes foi o primeiro romance de Graham Moore, traduzido para 15 línguas. Foi considerado “sublime, inteligente e delicioso” pelo The New York Times, “elucidado e entretido” pelo Los Angeles Times, e recebeu muitas outras críticas positivas nos diferentes países onde foi publicado.


Sobre Célia