Home / 11x17 / Opinião: O Cirurgião | Tess Gerritsen

Opinião: O Cirurgião | Tess Gerritsen

Autor: Tess Gerritsen
Título Original:
 The Surgeon (2001)
Série: Rizzoli & Isles #1
Editora: 11×17
Páginas: 496
ISBN: 9789722523004
Tradutor: Lídia Geer

Sinopse: Anda um assassino em série à solta nas ruas de Bóston. Os cadáveres encontrados indiciam uma brutalidade extrema: as vítimas são cortadas com um bisturi, os úteros são removidos e as suas gargantas cortadas. A polícia desespera para encontrar pistas para travar aquele a quem a imprensa já apelidou de o Cirurgião. Jane Rizzoli, uma detective dura e implacável e a única mulher na Brigada de Homicídios, está determinada a travá-lo. Thomas Moore, o outro detective encarregue do caso, encontra semelhanças perturbadoras com uma outra série de crimes ocorridos dois anos antes numa outra cidade. Poderá tratar-se-á do mesmo assassino? O problema é que o suspeito foi morto por uma das suas vítimas, a doutora Catherine Cordell, uma reputada médica actualmente a residir em Bóston. Será que o pesadelo de Catherine ainda não terminou? Terá o assassino regressado para acabar o que começou? 

Opinião: Tess Gerritsen é um nome bastante conhecido dentro do género policial e vinha muito bem referenciado, pelo que me pareceu uma escolha sensata quando percebi que me apetecia ler um policial. O Cirurgião é o primeiro da série “Rizzoli & Isles”, que conta até ao presente com 11 volumes publicados (em Portugal, existem traduções até ao 9.º, entre edições 11×17, Círculo dos Leitores e Ulisseia). Esta série de livros foi também adaptada ao pequeno ecrã, com a série televisiva homónima de 7 temporadas.

O Cirurgião é um assassino em série, cujas vítimas são mulheres a quem ele cirurgicamente (passe a redundância) retira o útero e depois assassina. Ainda que inicialmente não seja óbvio, a detetive Jane Rizzoli acaba por se aperceber, na sequência da investigação do primeiro crime, que este assassino já tinha operado antes, pela imagem de marca da sua forma de atuação e pelo inconfundível cenário do crime. Na realidade, há um par de anos, outras mulheres tinham aparecido mortas em condições semelhantes, tendo essa série de crimes terminado quando o seu perpetrador foi morto por uma das vítimas, Catherine Cordell. Mas se o assassino tinha conhecido o seu fim, quem estaria agora a cometer os crimes?

A narrativa avança sob vários pontos de vista: a investigação é naturalmente acompanhada por Jane, em capítulos onde a autora aproveita (e bem) para nos dar a conhecer também um pouco da sua vida como única mulher da equipa de detetives, que luta diariamente para ver o seu trabalho reconhecido da mesma forma que os seus colegas do sexo masculino. A ideia que passa é a de uma mulher extremamente competente mas revoltada e algo insegura, pela discriminação a que é sujeita, o que por vezes acaba por toldar o seu discernimento.

Acompanhamos também o ponto de vista do colega detetive Thomas Moore e de Catherine Cordell, a cirurgiã que sobreviveu à primeira vaga de crimes e que agora vive atemorizada pelos acontecimentos recentes, vendo assim ruir o muro que construiu à sua volta e que a permitiu, de certo modo, voltar a viver depois da experiência traumatizante por que passou. É pelos olhos desta personagem que Tess Gerritsen aproveita para demonstrar os seus conhecimentos em medicina (é ex-médica), com descrições pormenorizadas de procedimentos cirúrgicos, que poderão eventualmente não ser muito agradáveis aos mais impressionáveis pelo seu caráter explícito. Aliás, esta propensão da autora é ainda mais notória na descrição que faz dos crimes e no ponto de vista do assassino, ao qual o leitor também tem acesso.

Foi uma leitura muito rápida, movida pela curiosidade em conhecer o desenlace e a identidade do assassino. Penso que a autora consegue imprimir boa dinâmica à história e entrelaçar com competência a investigação central e o desenvolvimento das personagens principais, o que ajuda sempre a humanizar o enredo. No final, ainda que o leitor conheça a resolução do caso, as pontas soltas deixam a vontade inegável de ver o que trazem os próximos volumes. E foi precisamente isso o que diz, parti de imediato para o 2.º volume da série, O Aprendiz

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia