Home / 3/5 / [Opinião] A Última Noite de um Tirano, de Yasmina Khadra

[Opinião] A Última Noite de um Tirano, de Yasmina Khadra

26829486Autor: Yasmina Khadra
Título Original:
 La dernière nuit du raïs (2015)
Editora: Editorial Bizâncio
Páginas: 176
ISBN: 9789725305638
Tradutor: Maria Carvalho
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Uma personalidade Kadafi não poderia deixar indiferente Yasmina Khadra que com este mergulho vertiginoso na mente de um tirano sanguinário e megalómano, nos traça o retrato universal de todos os ditadores depostos e desvenda os móbeis mais secretos da barbárie humana.

Opinião:  Yasmina Khadra surpreendeu-me pela positiva com o seu O Que o Dia Deve à Noite; ficou-me dessa leitura a impressão de um escritor bastante dotado a nível de escrita e que me deveria merecer mais atenção no futuro. Felizmente, e Editorial Bizâncio continua a apostar nos seus livros e disponibilizou-me um exemplar deste A Última Noite de um Tirano, onde o autor argelino se propõe, numa narrativa na primeira pessoa, a mostrar ao leitor como foi a última noite de Muammar Kadhafi, chefe de estado líbio durante mais de 40 anos e que morreu em 2011 às mãos de opositores do seu regime.

Na noite de 20 de outubro de 2011, Kadhafi encontra-se escondido numa escola abandonada em Sirta, junto com alguns dos militares que compõem a sua guarda pessoal e outras patentes leais. Apesar de, de certo modo, pressentir que o seu fim se aproxima, não deixa de manter a postura e defender a sua reputação perante os poucos que ainda se mantêm por perto. Kadhafi mantém a convicção de ser um predestinado, ele próprio um deus. Através dos seus pensamentos, conhecemos um pouco da sua vida e percurso, sendo estes flashbacks intercalados com os acontecimentos presentes. 

Sabia muito pouco sobre Kadhafi antes de iniciar esta leitura; após terminá-la fiquei a saber mais, mas é importante notar que o objetivo de Yasmina Khadra não foi fazer uma biografia de Kadhafi e que, por isso, não existem muitos ou extensos detalhes sobre a sua vida. É antes uma interpretação do autor relativamente a Kadhafi, que acredito ser baseada em factos conhecidos sobre a personalidade deste, mas que não deixa de entrar no campo da ficção. 

Gostei sinceramente da escrita do autor, mas disso já estava à espera. Yasmina Khadra confirma-se como um escritor com um dom especial para colocar sentimentos e personagens no papel e, por isso, as expectativas foram plenamente confirmadas. Do que também gostei foi de o autor não ter assumido uma posição pessoal na sua narrativa: ao personificar Kadhafi, Yasmina Khadra mostra-nos um homem com as suas contradições, permitindo ao leitor vê-lo um pouco para além da perspetiva negativa que normalmente o acompanha, sem no entanto o desculpar. 

Acho sinceramente que alguém que já conheça um pouco sobre a vida de Kadhafi ou que se interesse particularmente por esta personagem possa desfrutar mais desta leitura do que alguém que parta praticamente às escuras. Esperava, provavelmente de forma ingénua, algo mais próximo de uma biografia, e por isso o livro acabou por me saber a pouco – mais por culpa das minhas expectativas do que pelos méritos do livro. Ainda que tenha gostado menos deste livro do que do anterior que li do autor, não deixou de ser uma boa leitura, que valeu pela escrita acima da média e por me ter feito interessar mais por uma personalidade que, até há pouco tempo, pouco me dizia. 

Sou Muammar Kadhafi, a mitologia feita homem. Se esta noite há menos estrelas no céu de Sirta e a minha lua parece tão fina como uma apara de unha, é para que eu continue a ser a única constelação importante.

 Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.