Home / 2/5 / [Opinião] Os Pecados do Pai, de Jeffrey Archer

[Opinião] Os Pecados do Pai, de Jeffrey Archer

26704119Autor: Jeffrey Archer
Título Original:
 The Sins of the Father (2012)
Série: The Clifton Chronicles #2
Editora: Bertrand
Páginas: 368
ISBN: 9789722530118
Tradutor: Fernanda Oliveira
Origem: Empréstimo

Sinopse: A Grã-Bretanha está na iminência de declarar guerra à Alemanha. Harry Clifton, na esperança de fugir às consequências de um escândalo familiar e percebendo que nunca poderá casar com Emma Barrington, alista-se na marinha mercante. Quando um submarino alemão afunda o seu navio, Harry e um punhado de marinheiros, entre eles um americano chamado Tom Bradshaw, são salvos pelo Kansas Star. Nessa noite, quando Bradshaw morre, Harry aproveita a oportunidade para enterrar o seu passado e assume a identidade do morto. Nova Iorque, 1939. Tom Bradshaw é preso por homicídio qualificado. É acusado de matar o irmão. Quando Sefton Jelks, um advogado de renome de Manhattan, lhe oferece os seus serviços a troco de nada, não resta grande alternativa a Tom, que não tem dinheiro a não ser aceitar a sua garantia de uma sentença mais ligeira. Depois de julgado e condenado, Jelks desaparece e a única maneira que Tom tem de provar a sua inocência é revelando a sua verdadeira identidade, algo que ele jurou nunca fazer de forma a proteger a mulher que ama. Entretanto, a jovem em questão viaja até Nova Iorque, deixando para trás, em Inglaterra, o filho de ambos. Recusa-se a acreditar que o homem com quem ia casar tenha morrido no mar e está decidida a fazer o que for preciso para o encontrar. A única prova que tem é uma carta, que ficou por abrir numa cornija de lareira em Bristol durante mais de um ano. Jeffrey Archer dá seguimento à saga dos Clifton com este romance épico.

Opinião: [Contém alguns spoilers do primeiro volume] Depois de ter devorado o primeiro volume da série Harry Clifton, parti de imediato para o segundo volume, que felizmente tinha disponível, movida pela curiosidade de saber o que acontecia ao jovem Harry depois do cliffhanger em que o autor deixou a história. 

A vontade de Harry em participar na 2.ª Guerra Mundial leva-o a uma viagem de barco que acaba em tragédia, tendo Harry decidido assumir a identidade de um companheiro de tripulação americano. A seu ver, o sofrimento que a sua suposta morte traria aos seus entes queridos seria suplantada pelos problemas que resolveria. Mas o que Harry não esperava era que, ao chegar aos Estados Unidos, fosse preso por crimes de que a pessoa de quem assumiu a identidade cometeu. Este novo volume da série, que recupera a técnica dos pontos de vistas das personagens principais, foca-se essencialmente na estadia de Harry na prisão e na forma como se desenvencilhou e na busca da sua amada Emma, que se recusa a acreditar que ele morreu. 

A voracidade com que li o primeiro volume esmoreceu bastante nesta segunda parte. As características do enredo  que me fizeram avançar na leitura do primeiro volume e fechar um pouco os olhos às fragilidades que revelava, esbatem-se em Os Pecados do Pai e acabam por evidenciá-las. O enredo torna-se demasiado novelesco e cheio de coincidências improváveis para que pessoalmente pudesse alcançar a chamada suspensão da descrença. Dei por mim a arrastar a leitura e a questionar-me quando é que o livro terminaria. Depois, chega-se ao fim e lá está mais um cliffhanger, tentando garantir que o leitor está de volta para o terceiro volume, mas fazendo, ao mesmo tempo, com que estejamos perante um livro que não tem princípio nem fim. 

Recuperando a analogia do hambúrguer que fiz na opinião do primeiro volume, voltei ao Burger King no dia seguinte, fiquei mal-disposta com o que comi e provavelmente já não irei voltar.

Classificação: 2/5 – OK


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.