Home / 3/5 / [Opinião] Doce Tortura, de Rebecca James

[Opinião] Doce Tortura, de Rebecca James

25944777Autor: Rebecca James
Título Original:
Sweet Damage (2013)
Editora: Suma de Letras
Páginas: 384
ISBN: 9789898775436
Tradutor: Isabel Veríssimo
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Quando Tim Ellison encontra um quarto barato para alugar num dos melhores locais de Sydney, parece um golpe de sorte: estará perto do restaurante onde trabalha e ainda mais perto do seu lugar preferido para praticar surf. Mas há uma condição para que possa arrendar o quarto: Tim terá de fazer todos os recados à misteriosa dona do quarto, uma mulher muito reservada e pouco amistosa, que nunca abandona a casa. Tim esforça-se cada vez mais por conhecer melhor a figura inquietante de Anna. A princípio muito reservada, ela começa a revelar-se aos poucos: a sua história, a sua tristeza, os seus medos paralisantes. É então que começam a acontecer coisas estranhas na casa: golpes a meio da noite, figuras inexplicáveis nas sombras, mensagens sinistras nas paredes. Tim assusta-se porque, ao mesmo tempo que o seu desconforto em relação àquela casa vai aumentando, crescem também os seus sentimentos pela bela e misteriosa dona da casa. Que tipo de pessoa será Anna London: alguém que merece compaixão, alguém para amar ou alguém para temer?

Opinião: Nunca tinha lido nada da australiana Rebecca James, nem tão pouco tinha ouvido falar dela até Doce Tortura me ter chegado a casa, cortesia da editora Suma de Letras. Li algumas opiniões positivas e fiquei bastante interessada, pelo que não demorei a pegar-lhe.

Doce Tortura é uma história contada sob dois pontos de vista; Tim, na primeira pessoa, conta-nos como a ex-namorada, com quem ainda vivia, lhe sugeriu um quarto para alugar numa maravilhosa mansão, propriedade de uma jovem de 18 anos, Anna; e é dela o segundo ponto de vista da história, desta vez na terceira pessoa, mostrando-nos uma jovem gravemente perturbada pela perda trágica dos seus pais e que parece desde cedo carregar ainda mais mágoas.

À medida que a história avança, coisas estranhas vão acontecendo na casa para onde Tim foi morar, que o deixam cada vez de pé mais atrás com a decisão de se mudar para lá. Mas ao mesmo tempo Tim sente-se intrigado pelo choro constante de Anna e pelas suas estranhas atitudes, que não parecem combinar com os resquícios de uma outra Anna que Tim vai encontrando pela casa. A ex-namorada de Tim, Lilla, continua a ser presença constante na sua vida e a perturbar a sua sanidade mental, uma vez que ainda se sente atraído por ela, mas ao mesmo tempo não consegue deixar de se recordar da relação obssessiva que viviam.

É do mistério que rodeia Anna que o livro vive, e a leitura avança mais rapidamente com a vontade de saber afinal o que lhe aconteceu. O tema da depressão de Anna é bem explorado e não é tratado de forma leviana, como esta doença muitas vezes é. As principais revelações e reviravoltas estão guardadas para o final do livro e ainda que me tenham parecido um pouco novelescas, não deixaram de ser interessantes e de dar uma conclusão satisfatória ao livro. Mesmo sem ter sido uma leitura que me arrebatasse, trata-se de um livro que conjuga bem os elementos de suspense e romance e que se lê com prazer. Fiquei curiosa com a outra obra da autora publicada em Portugal, Não Há Bela sem Senão.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.