Home / 2/5 / [Opinião] A Malinche, de Laura Esquivel

[Opinião] A Malinche, de Laura Esquivel

6929043Autor: Laura Esquivel
Título Original:
Malinche (2005)
Editora: Biblioteca Sábado
Páginas: 159
ISBN: n.d.
Tradutor: Helena Pitta
Origem: Comprado

Sinopse: Quando morre a sua avó, uma mulher sábia que a criara como um ser livre, Malinalli é entregue como escrava pela sua mãe. Já na adolescência, passou a pertencer a Hernán Cortés, que a fez aprender espanhol para ser sua tradutora perante os enviados de Moctezuma, recebendo assim o título de «a língua». Entre a escrava e o conquistador despertar-se-á uma paixão furiosa, que os levará a viver uma relação tormentosa, cheia de descobertas, conquistas e desencontros. No seu emocionante caminho para se libertar da escravidão, a tradutora Malinalli conseguirá interpretar, como fez com as palavras, a linguagem da natureza e do seu próprio espírito…

Opinião: Parti com este livro com baixas expectativas, confesso. As opiniões que li não eram propriamente muito entusiásticas, por isso peguei neste livro com um pé atrás. Às vezes acontece a minha opinião não condizer com a da maioria, mas neste caso acabei mesmo por não gostar muito do livro.

Conhecia vagamente a personagem de Malinalli de Aztec, de Gary Jennings (que em Portugal foi publicado em dois volumes, Orgulho Asteca e Sangue Asteca); sabia que tinha sido a intérprete de Córtez aquando da chegada do explorador espanhol ao território que hoje é o México, que tinha tido um papel fundamental na comunicação entre exploradores e indígenas, e que, mais tarde, tinha acabado por ter uma relação com Córtez. Mas não sabia mais, e esperava que depois de ler este livro ficar um pouco mais elucidada sobre quem foi esta personagem.

Laura Esquivel optou por uma abordagem espiritual e deífica em relação a Malinalli e aos eventos históricos em que esteve presente. Na verdade, os deuses e a influência que estes tinham nas pessoas e no seu destino são um dos temas centrais desta história, porque a sua personagem principal é crente, tal como as outras pessoas do seu povo. A conciliação dessa imagem dos vários deuses com o Deus único trazido pelos espanhóis é também um desafio que ajuda a definir a personagem.

Não se espere um relato muito detalhado sobre a chegada dos espanhóis a terras mexicanas; não sei até que ponto a reconstituição histórica é fiel, porque é um assunto sobre o qual sei muito pouco, mas de qualquer modo acaba por ser apenas uma contextualização e está longe de ser o centro do livro. Acho que foi esta a minha maior desilusão: esperava um relato com mais pendor histórico e menos esotérico. A linha temporal algo confusa também não ajuda; há constantes saltos no tempo, em que a personagem principal relata episódios da sua infância, que o leitor demora a situar. Mas houve coisas de que até gostei: a escrita de Laura Esquivel é agradável e algumas passagens são bonitas; a relação entre Malinalli e Córtez não foi romanceada e, por isso, torna-se mais realista.

No cômputo geral, não foi um livro que recordarei por muito tempo. Tem os seus pontos de interesse, mas as minhas expectativas e o meu gosto pessoal fizeram com que esta fosse uma leitura pouco memorável.

Classificação: 2/5 – OK


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.