Home / Artigos / “Destralhar” livros

“Destralhar” livros

Too_Many_Books_To_Read_by_swordfishll“Tralha” é normalmente entendido como um objeto que possuímos e que não tem grande utilidade. Há pessoas que vivem com imensa tralha e não se importam, há outras que têm os objetos reduzidos ao essencial (pelo menos o que elas consideram essencial) e há outras que sabem que têm imensa tralha e gostavam de se ver livre delas. Incluo-me neste último grupo e tenho andado a fazer algum esforço por descartar objetos que não têm qualquer utilidade para mim. 

 

Duas questões se colocam quando penso nos quase 900 livros que possuo: 1) Quero ter tantos livros? 2) Preciso de ter tantos livros? Se a resposta à primeira pergunta é um firme sim, porque a maioria dos leitores gosta de ter livros e acha que a sua casa ganha muito mais vida com eles, a resposta à segunda pergunta é claramente um não. A que propósito preciso eu de guardar livros de que não gostei ou que, mesmo tendo gostado relativamente, sei que nunca mais vou ler? E se quiser ir ainda mais longe, porque é que preciso de ter em casa livros que comprei há anos, que ainda não li, em relação aos quais perdi o interesse e que provavelmente nunca terei vontade de ler? São estas as questões que se têm levantado nos últimos tempos, e sinto afinidade quando leio textos como este; apesar de duvidar que fosse capaz de uma atitude tão radical, percebo o seu autor e, de certo modo, invejo esta sensação libertadora.

 

Há várias artigos com dicas para fazermos uma seleção aos livros que temos com base em alguns critérios. Este artigo do Root Simple sugere o seguinte:

Manter o livro se:

  • For de consulta frequente;
  • Trouxer alegria;
  • For especialmente bonito como objeto;
  • Tivermos mesmo a intenção de lê-lo;
  • Se quisermos relê-lo.

Descartar o livro se:

  • Já o lemos e absorvemos a informação;
  • Houver uma cópia na biblioteca;
  • Não trouxer alegria;
  • Acharmos que nunca o vamos ler;
  • Os nossos interesses se tiverem alterado;
  • Tivermos lido uma parte e acharmos que não vamos ler o resto.

 

No I’m an Organizing Junkie, sugere-se que se mantenham os livros que classificámos com 5 estrelas (ou classificação máxima noutra escala), que descartemos os que já serviram o seu propósito (como livros de estudo, por exemplo) e que tenhamos em conta o espaço que temos disponível.

 

E vocês, costumam fazer seleções aos livros que possuem e descartar os que já não querem? Que critérios usam e que destino lhes dão?

 


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.