Home / 4/5 / [Opinião] The Killing – Crónica de um Assassínio (Vol. 2), de David Hewson

[Opinião] The Killing – Crónica de um Assassínio (Vol. 2), de David Hewson

17222241Autor: David Hewson
Título Original:
The Killing (2012)
Série: The Killing #1.2
Editora: Dom Quixote
Páginas: 520
ISBN: 9789722051019
Tradutor: Ricardo Gonçalves
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Sarah Lund está a acabar o seu último dia como detetive no departamento da Polícia de Copenhaga antes de partir com o filho adolescente para a Suécia onde vai viver com o namorado. Mas tudo muda quando Nanna Birk Larsen, uma estudante de dezanove anos, é encontrada morta nos bosques em redor da cidade com sinais evidentes de ter sido brutalmente agredida e violada. Os planos de Lund para deixar o país vão sendo adiados à medida que a investigação com o seu colega, o detective Jan Meyer, se torna cada vez mais complexa. Enquanto a família de Nanna tenta conviver com a sua perda, o carismático político Troels Hartmann está em plena campanha eleitoral para a presidência da Câmara Municipal de Copenhaga. Quando as ligações entre a Câmara e o assassínio se tornam conhecidas, o caso toma uma direção completamente diferente. Ao longo de vinte dias, os suspeitos sucedem-se enquanto a violência e a intriga política estendem a sua sombra sobre a investigação. Baseado no argumento de Søren Sveistrup para a série de televisão com o mesmo nome, David Hewson transformou um enorme êxito televisivo num sucesso literário. Os dois volumes publicados pela Dom Quixote correspondem à primeira temporada da série.

Opinião: Depois da leitura frenética do primeiro volume, não podia deixar de pegar de imediato na segunda parte. Até agora, o mistério adensava-se e, ao invés de começarmos a vislumbrar uma resolução, cada vez a investigação estava mais complicada. 

Sarah Lund e o seu parceiro continuam no centro dos acontecimentos: ele é o crédulo, o que se deixa levar pelas aparentes evidências; ela é, por assim dizer, o cérebro da equipa, e não se deixa convencer pelas mesmas, sempre que alguma coisa não parece bater certo. Paralelamente ao desenvolvimento do caso, a relação entre os dois, que ao início foi bastante complicada, é um dos aspetos bem desenvolvidos nesta segunda metade e que dão uma maior humanidade à história. A própria personagem de Sarah vai sendo mais explorada à medida que a história avança e cativa pela complexidade que apresenta.

A leitura foi igualmente viciante, e as páginas voam sem que praticamente nos demos conta. O caso policial, que é a grande estrela desta história, é muito interessante e bastante complexo. Penso que o autor (ou os argumentistas da série em que o livro se baseia) exageraram um pouco no plot device de fazerem crer que o culpado era um quando afinal isso não era verdade. Aconteceu demasiadas vezes e tirou um pouco de credibilidade à história, na minha opinião. Contudo, a parte positiva é que afastou a previsibilidade que muitas vezes é o calcanhar de Aquiles de alguns livros dentro do género. Recomendado.

Feitas as contas aos dois volumes, que são apenas uma história, gostei bastante. Foi uma história que me cativou por completo, que me manteve, ao longo das suas 1.000 páginas, sempre curiosa por saber qual seria a resolução deste caso. 

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.