Home / 4/5 / [Opinião] As Solitárias Canções de Laren Dorr, de George R.R. Martin

[Opinião] As Solitárias Canções de Laren Dorr, de George R.R. Martin

13581302

Antes de comentar o conto propriamente dito, um pequeno aparte: O Cavaleiro de Westeros & Outras Histórias é composto por 10 contos que George R.R. Martin publicou dentro dos géneros do fantástico e da ficção científica. Até agora, quando li antologias ou coletâneas de contos, e sempre que decidi comentá-los individualmente, tenho optado por fazê-lo num mesmo post (ou quando muito em dois, como fiz para a outra coletânea de contos de George R.R. Martin (GRRM) que comentei por aqui). Desta vez, decidi escolher a metodologia de “um conto, um post“, que é tudo menos original, mas que penso trazer alguns benefícios: em primeiro lugar, torna os posts menos densos e mais focados, permitindo um maior destaque a cada um dos contos individualmente, que num texto mais longo correriam o risco de ficar meio perdidos; depois porque evita os tais posts quilométricos que tenho a impressão que mais ninguém, para além de mim, lê; por fim, esta opção permitirá um maior número de posts e, consequentemente, aumenta a probabilidade de chegarem aqui todos os dias e terem algo novo para ler. 


As Solitárias Canções de Laren Dorr (The Lonely Songs of Laren Dorr) – A introdução a este conto, a primeira história de fantasia que GRRM viu publicada, em 1976, é uma recapitulação da história do autor com este género e da explicação dos motivos pelos quais, no início da carreira, escrevia maioritariamente ficção científica. Bastante interessante. Quanto ao conto propriamente dito, é o mais curto do livro, a par de Flormordentes, e fala sobre a ocasião em que Sharra, uma mulher que viaja entre mundos através de portais, vai parar ao mundo onde reside o solitário Laren Dorr. Mais tarde, durante as conversas entre os dois, ficamos a saber que Sharra vagueia de mundo em mundo à procura do seu amor perdido e que Laren Dorr está há milhares de anos “preso” no mundo onde se encontra, um castigo por ter desafiado os Sete, uma espécie de deuses com o poder de definirem o destino destes “humanos”.

É uma bela história, extremamente evocativa e bem escrita, que consegue construir um mundo credível num espaço de palavras relativamente curto. A melancolia está sempre presente, tanto a nível de desenvolvimento do enredo como a nível de escrita, e a sensação de destino traçado é algo que acompanha sempre o desenrolar da história. Sem dúvida, um bom conto, que inicia esta coletânea da melhor forma. Para o caso de terem interesse, o conto pode ser lido online, em inglês, aqui.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante

Post geral sobre a coletânea

Outros contos nesta coletânea:


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.