Home / 3/5 / [Opinião] O Feiticeiro e a Sombra, de Ursula K. Le Guin

[Opinião] O Feiticeiro e a Sombra, de Ursula K. Le Guin

7150168Autor: Ursula K. Le Guin
Título Original:
A Wizard of Earthsea (1968)
Série: Terramar #1
Editora: Editorial Presença
Páginas: 184
ISBN: 9789722328173
Tradutor: Carlos Grifo Babo
Origem: Comprado

Sinopse: Numa terra longínqua chamada Terramar vive o maior de todos os arquimagos. O seu nome é Gued, mas há muito tempo atrás, ele era um jovem chamado Gavião, um ser estranho, irrequieto e sedento de poder e sabedoria, que se tornou aprendiz de feiticeiro. Neste livro conta-se a história da sua iniciação no mundo da magia e dos desafios que teve que superar depois de ter profanado antigos segredos e libertado uma negra e pérfida sombra sobre o mundo. Aprendeu a usar as palavras que libertavam poder mágico, domou um dragão de tempos imemoriais e teve que atravessar perigos de morte para manter o equilíbrio de Terramar. No meio de um suspense quase insustentável, de encontros místicos, de amizades inquebrantáveis, de sábios poderosos e de forças tenebrosas do reino das trevas e da morte, Gued não pode vacilar, qualquer fraqueza sua fará perigar o equilíbrio que sustenta o mundo… e a sombra maléfica que ele libertou, gélida e silenciosa, só está à espera desse momento para devastar, com as suas asas negras, o mundo inteiro.

Opinião: Apesar de a série “Terramar” vir catalogada como tendo público-alvo os jovens adultos, a minha expectativa era imensa. Por dois motivos: porque a sua autora é a Ursula K. Le Guin (de quem adorei Os Despojados e O Tormento dos Céus) e porque várias pessoas em cuja opinião confio leram e gostaram bastante. 

“Terramar” é uma das séries mais famosas dentro do género fantástico, e este seu primeiro volume é, penso eu, a típica fantasia que inclui um extenso worldbuilding (apesar de ser um livro curto), uma personagem central que vai percorrendo vários locais deste mundo imaginário, e a magia como um dos pontos fulcrais do enredo. Percebo agora também algumas comparações feitas entre este livro e a série “Harry Potter”, já que, pelos vistos, este foi o livro que introduziu a ideia de escola de feitiçaria.

O protagonista desta história é Gued (não concordo com a alteração em relação ao original Ged, mas percebo que o tradutor quis que “disséssemos” o nome como a autora pretendeu), um jovem oriundo de uma das ilhas de Terramar conhecida por ser berço de alguns feiticeiros de renome, que desde cedo se sente atraído com as possibilidades que a magia lhe oferece. De tal modo que decide entrar numa escola para feiticeiros, longe de casa, onde passa alguns anos a aprender as várias vertentes da arte. Só que a sua juventude e imaturidade levam-no a praticar magia perigosa, o que resulta na sua quase morte e no despertar de uma sombra, que se transforma no arqui-inimigo de Gued. A sombra torna-se na sua própria sombra, perseguindo-o para onde ele vai, sem que o nosso protagonista consiga arranjar maneira de a eliminar definitivamente.

Em Terramar, as palavras têm uma importância fundamental. Todas as coisas têm um nome e as pessoas têm normalmente um segundo nome, pelo qual são conhecidas, porque saber o primeiro nome de alguém faz com que se tenha poder sobre essa pessoa. Gued quer descobrir o nome da sombra, porque pensa que esta é a única forma de a eliminar.

Tenho de confessar que estava à espera de ficar mais arrebatada por esta história. A escrita é muito boa e evocativa (como já estava à espera) e o worldbuilding notável para um livro deste tamanho, mas penso que este último fator acaba por roubar um pouco de “tempo de antena” ao desenvolvimento da personagem principal e da sua relação com as secundárias, tornando-a assim um pouco menos empática do que eu desejaria. Os próprios acontecimentos em seu redor parecem, por vezes, decorrerem demasiado depressa. O final, contudo, é muito interessante e todo o tratamento que Ursula K. Le Guin dá ao tema da evolução do ser humano através da aceitação do passado e das suas características mais negras é digno de nota.

Sem ter sido uma leitura arrebatadora, foi suficientemente interessante para me deixar intrigada em relação ao que se segue.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.