Home / 3/5 / [Opinião] Loyalty in Death, de J.D. Robb

[Opinião] Loyalty in Death, de J.D. Robb

6988011Autor: J.D. Robb
Ano de Publicação: 1999
Série: In Death #9
Páginas: 368

Sinopse: New York cop Eve Dallas returns to face her most ingenious foe – a “secret admirer” who taunts her with letters… and kills without mercy. An unknown bomber is stalking New York City. He is sending Eve Dallas taunting letters promising to wreak mass terror and destruction among the “corrupt masses.” And when his cruel web of deceit and destruction threatens those she cares for most, Eve fights back. It’s her city … it’s her job… and it’s hitting too close to home. Now, in a race against a ticking clock, Eve must make the pieces fit–before the city falls.
 

Opinião: Decidi voltar à série In Death, depois de no último volume me ter parecido que devia fazer uma pausa para não enjoar. Assim fiz, e parece-me que foi uma boa decisão. Desta vez, a Tenente Eve Dallas vê-se a braços com uma organização terrorista que aposta em fazer explodir locais públicos e fazer várias vítimas em simultâneo, reclamando para si a capacidade de destronar políticos corruptos e melhorar a sociedade. Junte-se a estes ataques o surgimento de alguns homicídios e temos as peças do puzzle em cima da mesa à espera que Eve as consiga montar.

A nível do caso policial, achei interessante a abordagem a organizações terroristas e ao facto de tudo se passar em Nova Iorque. O livro foi escrito antes dos ataques às Torres Gémeas, mas houve várias coincidências um pouco arrepiantes: só faltou mesmo as Torres Gémeas terem feito parte dos edifícios alvo de ataques. Para além disso, penso que o caso foi bem desenvolvido (apesar de o tema não me entusiasmar por aí além), com uma reviravolta final inesperada e um final de livro cheio de ação e de cortar a respiração.

A nível de desenvolvimento de personagens, o destaque vai mesmo para Peabody, a ajudante de Eve. Conhecemos o irmão de Peabody, o ingénuo Zeke, e ficamos a par do que foi a sua vida antes de ter entrado para a polícia. Também a sua vida romântica conhece alguns desenvolvimentos no que respeita ao colega McNab (algo que já se vinha a adivinhar em volumes anteriores) que gostei de acompanhar porque estes momentos estiveram sempre recheados de bom humor. Quanto a Eve, para além das suas já habituais inseguranças relativamente à sua relação com Roarke, temos aqui algumas recordações dolorosas relativamente à sua mãe, que penso (e espero) virem a ser desenvolvidas nos próximos volumes. Foi mais um bom volume da série e que me faz continuar a querer acompanhá-la.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.