Home / 3/5 / [Opinião] The Martian, de Andy Weir

[Opinião] The Martian, de Andy Weir

18401393Autor: Andy Weir
Ano de Publicação: 2011
Páginas: 384

Sinopse: Six days ago, astronaut Mark Watney became one of the first people to walk on Mars. 

Now, he’s sure he’ll be the first person to die there.



After a dust storm nearly kills him and forces his crew to evacuate while thinking him dead, Mark finds himself stranded and completely alone with no way to even signal Earth that he’s alive—and even if he could get word out, his supplies would be gone long before a rescue could arrive.  Chances are, though, he won’t have time to starve to death. The damaged machinery, unforgiving environment, or plain-old “human error” are much more likely to kill him first. But Mark isn’t ready to give up yet. Drawing on his ingenuity, his engineering skills—and a relentless, dogged refusal to quit—he steadfastly confronts one seemingly insurmountable obstacle after the next. Will his resourcefulness be enough to overcome the impossible odds against him?
 

Opinião: Achei a premissa deste livro muito interessante e entusiasmante: numa missão de 6 astronautas a Marte, as coisas não correm bem e um dos astronautas fica para trás, quando os colegas o julgam morto. As opiniões bastante positivas que fui lendo foram o empurrão que faltava para me ter aventurado neste livro.

A história chega-nos através de entradas numa espécie de diário que Mark Watney, o tal astronauta que ficou para trás, vai escrevendo para dar conta das dificuldades que se lhe deparam, dos seus planos de sobrevivência, das suas vitórias e das suas derrotas contra o “inimigo” Marte, que tem muito pouco que ajude a manter a esperança de ser salvo. Com os seus conhecimentos de botânica e de ciência, Mark engendra planos que lhe permitam sobreviver até à próxima missão em Marte, prevista para dali a 4 anos.

As entradas do diário têm tanto de técnicas como de humorísticas; o humor da personagem principal é, no início, algo refrescante e dá um tom original ao relato, mas à medida que a narrativa avança (e teoricamente a esperança de salvamento e sobrevivência vai diminuindo pelos reveses que vai sofrendo) esse humor parece cada vez mais artificial. Senti, na verdade, falta de ver mais desespero, o que seria perfeitamente expectável na situação em que Mark se encontrava. Depois, as descrições técnicas: compreendo perfeitamente que, numa situação real, estas constariam de um relato deste género e, por outro lado, servem para que o leitor comum perceba, melhor ou pior, alguma da ciência do que vai sucedendo, mas senti-me várias vezes aborrecida (e outras tantas como um burro a olhar para um palácio) com estas descrições, o que não contribuiu muito para que a leitura decorresse como esperava.

De referir que, para além das entradas do diário, vamos também tendo a visão do que se vai passando na Terra, no âmbito da NASA, e na nave em que viajam os astronautas que deixaram Mark em Marte. Achei estes “interlúdios” refrescantes e, às tantas, mais interessantes do que os próprios relatos de Mark.

O balanço final é, apesar de tudo, positivo. A premissa da história é interessante e são notórios os vastos conhecimentos científicos do autor, mas a um nível mais humano e emocional foi um livro que falhou em me cativar plenamente.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

  • Tenho muita curiosidade! As opiniões do pessoal que se mete mais em FC são bastante positivas, portanto tenho esperanças… Esta tua versão deixa-me um pouco de pé atrás, mas acho que o meu background de Ciências é capaz de ser uma vantagem, para não me aborrecer tanto e ficar mais interessado 🙂

    • Célia

      Rui, do que conheço dos teus gostos arrisco a dizer que este livro tem tudo para te agradar. Fico à espera da tua opinião 😉