Home / 3/5 / [Opinião] O Mistério do Comboio Azul, de Agatha Christie

[Opinião] O Mistério do Comboio Azul, de Agatha Christie

7198266Autor: Agatha Christie
Título Original:
The Mystery of the Blue Train (1928)
Editora: RBA Coleccionables
Páginas: 258
ISBN: 9788447359110
Tradutor: Isabel Alves
Origem: Comprado

Sinopse: Por um lado, um bairro de bandidos parisienses, um homem de cabelo branco, um misterioso pacote, um velho grego e a sua encantadora filha. Por outro, um milionário que compra um fabuloso rubi para a sua filha casada com um aristocrata que está à beira da ruína. As duas histórias entrelaçam-se quando Ruth, a proprietária do rubi, é assassinada no Comboio Azul. A partir daquele momento, Poirot vai desenredando a meada com o seu peculiar engenho.

Opinião: Crime no Expresso do Oriente é um dos livros mais famosos de Agatha Christie e foi também, curiosamente, o primeiro livro que li dela. Mas, antes de ter publicado esse livro em 1934, a Rainha do Policial já tinha explorado 6 anos antes o comboio como cenário de um crime, precisamente neste O Mistério do Comboio Azul.

A história inicia-se com a compra de um conjunto de rubis russos muito valiosos por parte de um milionário americano, que os oferece à filha. Ruth vive um casamento infeliz, movido apenas por interesses de parte a parte, em que ambos seguiram o caminho do adultério. Depois de algumas indiscrições por parte do marido de Ruth, o pai dela sugere que se divorciem e a perspetiva de deixar de viver de forma folgada deixa Derek muito insatisfeito.

Numa viagem de comboio para Paris, no dito comboio azul, Ruth aparece morta e vários dos passageiros têm motivos para ter cometido o crime. Hercule Poirot era também um dos passageiros e, como seria de esperar, vê-se envolvido nas investigações, estando muito mais atento a certos detalhes do que a polícia que investiga o caso.

Foi, como já é habitual, uma leitura compulsiva, pela forma cativante como Agatha Christie “monta” toda o enredo em volta do crime e que põe o leitor a tentar adivinhar a identidade do culpado. Desta vez, houve um ou outro detalhe que me fizeram suspeitar do verdadeiro assassino, apesar de estar longe de adivinhar quais os contornos do que aconteceu. Sem querer, isso acabou por evitar que a revelação final tivesse tanto impacto, mas ainda assim foi uma leitura muito agradável.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.