Home / 4/5 / [Opinião] O Livro do Ano, de Afonso Cruz

[Opinião] O Livro do Ano, de Afonso Cruz

17405393Autor: Afonso Cruz
Ano de Publicação: 2013
Editora: Alfaguara
Páginas: 141
ISBN: 9789896721619

 

Sinopse: Estas são páginas do diário de uma menina que carrega um jardim na cabeça, atira palavras aos pombos e sabe quanto tempo demora uma sombra a ficar madura.
Páginas feitas de memórias, para leitores de todas as idades.

 

Opinião: De Afonso Cruz, tinha lido até à data apenas dois livros: Os Livros que Devoraram o Meu Pai, que adorei, e Enciclopédia da Estória Universal, que me deixou um bocado indiferente. Fiquei sempre com vontade de voltar a pegar noutra coisa dele, para tirar as teimas, mas só agora se proporcionou.

 

Sabia muito pouco sobre este livro. Pensei até que o título “O Livro do Ano” era um pouco pretensioso, até ter percebido que é uma espécie de diário de uma menina que cobre o período de um ano, dividido pelas respetivas estações. As entradas são datadas e curtas, e consistem em observações sobre as mais variadas coisas, normalmente detalhes sobre os quais nunca tínhamos pensado, revestidas de uma aparente simplicidade cheia de significado. Afonso Cruz consegue, em poucas palavras, mostrar aquilo que o mundo tem de mais belo: a simplicidade e ingenuidade das crianças e o poder que elas têm de nos fazer ver as coisas pelos seus olhos. A acompanhar as entradas do diário estão várias ilustrações do autor, todas a preto e branco, que sem dúvida ajudam a criar toda a ambiência que o texto requeria.

 

É um livro delicioso, que se lê em meia hora e que brilha por conter tanto em tão pouco. Afonso Cruz é, sem dúvida, um escritor a seguir.

 

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

  • Este autor tem-me deixado bastante curioso, especialmente pelos títulos normalmente peculiares… Mas ainda não se proporcionou a oportunidade de o ler. A ideia que tenho dele é que escreve coisas estranhas (no melhor sentido possível!) :p

    • Célia

      Lê e depois diz-me o que achaste. Penso que és capaz de gostar 😉