Home / 4/5 / [Opinião] The Firebird, de Susanna Kearsley

[Opinião] The Firebird, de Susanna Kearsley

17406564Autor: Susanna Kearsley
Ano de Publicação: 2013
Série: Slains #2
Páginas: 544

Sinopse: Nicola Marter was born with a gift. When she touches an object, she sometimes glimpses those who have owned it before. When a woman arrives with a small wooden carving at the gallery Nicola works at, she can see the object’s history and knows that it was named after the Firebird—the mythical creature from an old Russian fable.

Compelled to know more, Nicola follows a young girl named Anna into the past who leads her on a quest through the glittering backdrops of the Jacobites and Russian courts, unearthing a tale of love, courage, and redemption.

  

Opinião: Sophia’s Secret foi a minha leitura preferida de 2013. Quando o terminei de ler, tive vontade de ler todos os livros da Susanna Kearsley de seguida, em especial The Firebird, que é a sua sequela. A bem dizer, “sequela” talvez não seja a palavra mais adequada, uma vez que este livro não é uma continuação de Sophias’s Secret, cuja história tem uma conclusão satisfatória e sem pontas soltas. Pareceu-me que The Firebird nasceu da vontade da autora contar a história de algumas personagens que apareceram em Sophia’s Secret e é por isso que uma das protagonistas deste livro é Anna, que tínhamos conhecido anteriormente em criança. Portanto, se leram Sophia’s Secret não têm necessariamente de ler The Firebird; se quiserem ler The Firebird isoladamente também o podem fazer, mas isso retirará alguma da emoção das revelações-chave em  Sophia’s Secret.

À semelhança do livro anterior, também The Firebird tem duas linhas temporais, uma no passado (inícios do século XVIII) e outra no presente. Nicola Marter, a protagonista do presente, tem uma habilidade especial: quando toca num objeto consegue “ver” a sua história passada, as pessoas que lhe tocaram e as situações que “presenciou”. A desconfiança normal em relação às capacidades psicométricas leva Nicola a esconder esta sua característica e a não deixar que interfira com o seu trabalho numa empresa que transaciona obras de arte. Quando o patrão recebe a visita de uma mulher que tenta vender um objeto que diz ter sido oferecido a uma sua antepassada pela Imperatriz Catarina I da Rússia, Nicola toca no objeto – o Firebird a que o título se refere – e tem um flashback onde vê a Imperatriz e Anna, a antepassada da dona do mesmo. Esta visão é o ponto de partida para uma demanda que vai da Escócia a São Petersburgo, em que Nicola, com a ajuda de Rob, um polícia que tem habilidades semelhantes, procura pistas que provem a origem do objeto. E é assim que as visões dos dois vão proporcionando ao leitor um regresso ao passado e ao que foi a vida de Anna após ter ficado a morar perto do Castelo de Slains, na Escócia, enquanto no presente Nicola vai aprendendo a aceitar quem é e o que pode fazer.

Tenho de dizer que este livro não me cativou tanto como Sophia’s Secret, mas isso era algo que eu, à partida, já esperava depois de ter gostado tanto daquele livro. Há coisas muito boas em The Firebird, e outras que desiludem por perderem com a comparação. Só me senti realmente “dentro” da história no último terço, quando foi difícil parar de ler. Li o que veio antes sempre com interesse, e fiquei contente por reencontrar algumas personagens, mas não achei que o entrelaçar entre as duas linhas temporais tivesse sido tão bem conseguido como no livro anterior ou que tivesse parecido tão natural. A protagonista do presente, Nicola, e os seus dilemas também falharam muitas vezes em me convencer plenamente. 

Contudo, The Firebird apresenta várias características que me cativaram no primeiro livro que li da Susanna Kearsley: bem escrito, com uma boa conjugação dos elementos históricos com os elementos ficcionais (destaque para uma nota final interessantíssima em que a autora explica o que é ou não facto na sua história), e com momentos emocionais muito fortes, especialmente no final. Isto apesar de ter adivinhado bastante cedo uma das revelações que a autora reservava para o fim.

Portanto, e apesar de ter tentado baixar as expectativas em relação a esta leitura, acabou por me desiludir um bocado quando comparado com Sophia’s Secret. Mas o livro teve muitas coisas que me agradaram e, por isso, acabou por me ficar na memória. Recomendo.

Classificação: 4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.