Home / 3/5 / [Opinião] A Vida Imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot

[Opinião] A Vida Imortal de Henrietta Lacks, de Rebecca Skloot

12545055Autor: Rebecca Skloot
Título Original:
The Immortal Life of Henrietta Lacks (2010)
Editora: Casa das Letras
Páginas: 416
ISBN: 9789724620213
Tradutor: Luís Santos
Origem: Comprado

Sinopse: O seu nome era Henrietta Lacks, mas os cientistas conhecem-na como HeLa. Era uma pobre assalariada numa plantação de tabaco, trabalhando a mesma terra do que os seus antepassados escravos. Mas as suas células – retiradas sem o seu conhecimento – tornaram-se numa das ferramentas mais importantes na Medicina: as primeiras células humanas «imortais» da ciência. Ainda estão vivas hoje, embora Henrietta tenha morrido há mais de sessenta anos. As células HeLa foram vitais para o desenvolvimento da vacina contra a poliomielite; contribuíram para os avanços médicos em relação ao cancro, aos vírus e aos efeitos da bomba atómica; ajudaram nas descobertas médicas importantes, como a fertilização in vitro, clonagem e mapeamento de genes; e, consequentemente, foram compradas e vendidas através de contratos multimilionários. No entanto, Henrietta Lacks permanece praticamente desconhecida.

Neste livro Rebecca Skloot conduz-nos numa extraordinária viagem, começando pela ala «de cor», do Johns Hopkins Hospital, em 1950, até aos grandes laboratórios cheios de células HeLa. A família de Henrietta não sabia da sua «imortalidade» e, embora as suas células tenham lançado uma indústria multimilionária, nunca viram um tostão. Como Rebecca Skloot tão brilhantemente mostra, a história da família Lacks está indissoluvelmente ligada à história da ciência, ao nascimento da bioética, e às infindáveis batalhas jurídicas sobre se podemos controlar as coisas de que somos feitos.

  

Opinião: Não sendo formada na área das ciências, não é muito surpreendente que nunca tenha ouvido falar nas células HeLa e na importância que tiveram (e continuam a ter) para a investigação de vacinas e tratamentos de várias doenças, como a poliomielite ou algumas formas de cancro. As células HeLa compõem a linha celular mais antiga em utilização, tendo sido originalmente provenientes de um cancro do colo do útero de uma paciente que faleceu desta doença em 1951. Foi a primeira vez que se conseguiu manter as células vivas in vitro e, a partir daí, reproduzi-las para um grande número de experiências científicas.

O que este livro pretende, para além de contar a história das células HeLa e da sua importância para a investigação científica, é contar a história da mulher de onde essas células foram retiradas, que pouca gente conhece. O nome das células provém do nome da sua dadora original, Henrietta Lacks, uma afro-americana que faleceu de cancro do colo do útero em 1951 e de quem o lote original de células foi retirado sem o seu conhecimento ou da família.

Rebecca Skloot ganhou interesse pela história desta mulher no final dos anos 1990 e nessa altura começou a tentar entrar em contacto com a família de Henrietta Lacks e desenterrar tudo o que podia saber sobre esta mulher. Assim, vai-nos relatando a sua história, mostrando uma mulher forte e dedicada à família que, mesmo numa situação de doença, sempre manteve a dignidade e a força de viver. Estes recuos ao passado vão sendo intercalados com o avanço na pesquisa da autora, em que nos dá conta das dificuldades em alcançar a família de Henrietta, demasiado desconfiados das suas intenções pela quantidade de pessoas que se tentaram aproveitar deles no passado.

O principal ponto positivo desta leitura foi o que aprendi. Nunca tinha ouvido falar destas células e da importância que têm e muito menos onde tiveram origem. Foi também interessante recuar umas décadas e perceber as diferenças que existiam na relação médico-paciente e a pouca informação que era dada ao doente na época sobre a sua doença ou os tratamentos por que iria passar. A autora aborda também algumas lutas em tribunal e leis que foram surgindo para regular a doação de órgãos e tecidos para investigação. De tudo isto gostei, mas do historial da investigação para o livro nem por isso. Não estava muito interessada em saber dos avanços e recuos da relação entre a autora e uma das filhas de Henrietta, Deborah. Acho sinceramente que a autora exagerou nesse aspeto, porque no fundo este livro não era sobre ela mas sim sobre Henrietta e a sua família. 

Portanto, resumindo: gostei bastante da parte informativa do livro, gostei de saber sobre a história de Henrietta Lacks, mas tive pouco interesse em saber os passos que a autora deu para obter as informações que aqui nos apresenta.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.