Home / 2/5 / [Opinião] Mr. Penumbra’s 24-Hour Bookstore, de Robin Sloan

[Opinião] Mr. Penumbra’s 24-Hour Bookstore, de Robin Sloan

13538873Autor: Robin Sloan
Ano de Publicação: 2012
Páginas: 286

Sinopse (da edição portuguesa): A grande recessão fez com que Clay Jannon perdesse o seu emprego confortável, mas previsível, como web designer; contudo, a sorte, a pura curiosidade e a sua capacidade de subir e descer um escadote como um macaco permitem-lhe encontrar emprego no turno da noite da misteriosa Livraria Noite e Dia – gerida pelo não menos misterioso A. Penumbra. Após algumas noites de trabalho, os mistérios sucedem-se: a livraria tem pouquíssimos clientes, mas eles vêm repetidamente e parecem nunca comprar nada, limitando-se a «pedir emprestados» uns volumes obscuros dos recantos ainda mais obscuros da livraria, segundo um acordo com o excêntrico livreiro. Apesar dos avisos do seu novo patrão, Clay não resiste a analisar o comportamento dos seus clientes e a tentar descobrir de que tratam aqueles estranhos volumes e exatamente o que se passa nesta bizarra livraria. No entanto, os segredos que descobre (com a ajuda de uma namorada que trabalha na Google e um bando de amigos geeks e techies) vão muito além das paredes da Livraria Noite e Dia… um mistério tão vasto que só pode caber dentro de um livro!
 

Opinião: É muito difícil um livro sobre livros, bibliotecas ou livrarias não me interessar e foi por esse motivo – juntamente com a capa agradável – que este livro me chamou a atenção.

O protagonista é Clay Jannon, um web designer com pouco currículo que se encontra no desemprego. A procura de emprego leva-o a dar passeios por São Francisco, à procura de algo a que se possa agarrar, quando se depara com um anúncio à porta de uma obscura livraria – a livraria do Sr. Penumbra, a que o título alude, e que está aberta 24 horas por dia. Clay precisa do dinheiro e por isso aceita trabalhar como empregado da livraria no turno da noite. A livraria tem muito poucos clientes e que os que aparecem desejam apenas levar livros emprestados. Livros esses que se encontram numa parte pouco acessível da livraria e cuja estranheza condiz com a dos “clientes” que os levam.

Clay depressa percebe que não trabalha numa livraria convencional e, às tantas, começa a construir um modelo 3D da livraria, com a respetiva localização dos livros mais obscuros, o que é o ponto de partida para descobrir o verdadeiro propósito da livraria, dos livros e a organização que está por detrás de tudo isto. Para isso, conta com a ajuda de um amigo rico e de uma funcionária do Google, notavelmente inteligente, e que se torna, para além disso, no interesse amoroso do protagonista.

Já que falei no Google, aproveito para dizer que a tecnologia é um elemento fundamental do enredo e a dicotomia tradicional-tecnológico é um dos temas principais do livro e, na minha opinião, o seu ponto mais interessante. Este livro é, basicamente, um thriller com alguns dos seus típicos elementos de suspense, mas que achei ter um tom demasiado leve e juvenil para ser bem sucedido como um thriller. A resolução do mistério principal do enredo pareceu-me completamente anti-climática, por ser tão básica e desinteressante, e mesmo todos os acontecimentos que levam as personagens ao final da história acabaram por ser pouco emocionantes e despertar em mim apenas um leve interesse. Mesmo entre as personagens são poucas as que conseguimos ver para além do seu caráter unidimensional, com destaque para o protagonista, que, na minha opinião, nunca é caracterizado de forma a que eu pudesse acreditar que ele era capaz de decifrar um segredo com séculos de existência.

Portanto, este livro foi uma desilusão. Não é que o ache um mau livro, até porque tem alguns pontos de interesse e premissas prometedoras, mas o que me pareceu é que o autor quis escrever uma história demasiado ambiciosa para as suas capacidades e que isso acaba por anular as qualidades que a narrativa por vezes demonstra. 

Classificação: 2/5 – OK


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.