Home / 2/5 / [Opinião] O Homem que Existia Demais, de Possidónio Cachapa

[Opinião] O Homem que Existia Demais, de Possidónio Cachapa

16184957

Autor: Possidónio Cachapa
Editora: Escrit’orio Editora
Páginas: 11
Contos Digitais: #14
Origem: Gratuito online

Sinopse: Quando Savage Danny nasceu prematuramente na beira da estrada já se poderia adivinhar que a sua existência não seria vulgar. Acordar no meio de tigres ou viajar sobre o tejadilho de um carro eram muito mais do que acasos. Antes a essência de um homem maior do que a vida que lhe calhou.

Opinião: Estive na dúvida se devia ou não continuar a ler os Contos Digitais do DN, uma vez que dos 13 que li anteriormente apenas uma minoria considerei realmente bons. Mas os textos são curtos e por isso não me tomam muito tempo, para além de que assim não corro o risco de perder alguma pérola que esteja aqui pelo meio.

Possidónio Cachapa foi outra estreia para mim, um autor que só conhecia vagamente de nome. Este “homem que existia demais” é Savage Danny, cuja vida e personalidade nos são narradas por um seu amigo. Savage Danny cresceu a vender farturas com a mãe e ganhou a alcunha quando estavam a fazer negócio perto de um circo e revelou não ter medo dos tigres e dos leões numa situação inesperada. Este acontecimento funcionou como uma epifania que o levou a fazer-se à estrada, em busca de uma vida vivida ao sabor da maré.

Achei um conto bem escrito, mas não me impressionou ou interessou particularmente. Acaba por ser um hino ao viver um dia de cada vez e ao apostar naquilo que nos faz verdadeiramente felizes, mas achei que podia ter sido melhor desenvolvido. Senti vontade de conhecer melhor esta personagem. Ainda assim, fiquei com curiosidade para ler outros trabalhos do autor.

Classificação: 2/5 – OK


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.