Home / 3/5 / [Opinião] A Passagem – Volume II, de Justin Cronin

[Opinião] A Passagem – Volume II, de Justin Cronin

12526435Autor: Justin Cronin
Título Original: The Passage (2010)
Série: A Passagem #1.2
Editora: Editorial Presença
Páginas: 416
ISBN: 9789722346184
Tradutor: Miguel Romeira
Origem: Comprado

Sinopse: Neste segundo volume a humanidade vive uma era de trevas em que a sobrevivência dita as leis, não só em função dos ataques dos mutantes virais, mas em relação a quase tudo. Passaram entretanto noventa anos sobre a catástrofe e a Vagante, como muitos lhe chamam, regressa de uma longa e solitária jornada de décadas. Como numa viagem iniciática, durante essa obscura deriva ganhou forma dentro dela o terrível conhecimento de que ela é a Única que tem o poder de salvar o mundo destruído por aquele pesadelo.

Opinião: Parece mentira, mas já publiquei a opinião sobre o primeiro volume há mais de um mês e ando há quase duas semanas para escrever esta. A vida não me tem dado descanso e quando dá só me apetece dormir. Mas cá vai.

Esta segunda parte começa exatamente onde a primeira terminou, ou não fosse este livro apenas um no original, que a Presença decidiu dividir em dois volumes por cá. Continuamos assim a acompanhar o grupo de jovens que nos foi apresentado no primeiro volume e que vive numa colónia protegida do vírus que provocou milhões de mortos na América de há 100 anos. Um misterioso sinal de rádio e o fim iminente das baterias que proporcionam a proteção noturna à colónia, essencial para a sobrevivência dos seus habitantes, são o mote para que o grupo parta à descoberta de novas soluções. São acompanhados por Amy, a jovem especial e que é aparentemente peça essencial no desvendar do mistério.

Esta segunda parte acaba por ser, em boa parte, dedicada às aventuras do grupo e à sua luta pela sobrevivência em novos e desconhecidos ambientes. Ao longo do caminho vão encontrando várias pessoas, amigos ou inimigos, e ao mesmo tempo descobrindo mais sobre a história dos virais e sobre a forma como funcionam. O nível de desenvolvimento das personagens continua a ser de relevo, se bem que aqui mais esbatido em prol da ação. 

O autor utiliza frequentemente o artifício de dar a entender que os acontecimentos vão tomar determinado rumo para depois a coisa acabar por compôr-se, o que às tantas faz com que o enredo seja um pouco previsível. O final, não sendo propriamente um final (a história tem continuação ainda não publicada em Portugal), acaba por ser satisfatório dentro do que nos é apresentado. Em suma, gostei mais da primeira metade do que da segunda, mas de um modo geral foi uma história que gostei de acompanhar, que me manteve cativada e interessada. Fica a expectativa por ver The Twelve publicado por cá.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia