Home / 4/5 / [Opinião] A Vida de Pi, de Yann Martel

[Opinião] A Vida de Pi, de Yann Martel

5858471Autor: Yann Martel
Editora: Difel
Páginas: 341
ISBN: 9789722906555
Tradutor: António Pescada
Origem: Comprado

SinopseDepois do naufrágio de um navio de carga, um único bote salva-vidas permanece a flutuar à superfície do agreste oceano Pacífico. A tripulação do barco consiste numa hiena, um orangotango, uma zebra com a perna partida, um tigre de Bengala e Pi Patel, um rapaz indiano de 16 anos de idade. O palco está preparado para um dos mais extraordinários fragmentos de ficção literária dos últimos tempos. Um romance com tão rara e assombrosa habilidade para contar histórias que, como diz uma das personagens, talvez faça o leitor conseguir acreditar em Deus.

Opinião: Este livro era, certamente, um dos que estavam há mais tempo por ler na minha estante. Lembro-me que o comprei para aí na Feira do Livro de 2007 ou 2008 e desde então aguardou pacientemente a sua vez. A recente adaptação cinematográfica e as opiniões bastante positivas que li de pessoas de confiança foram o impulso que faltava para começar finalmente a lê-lo.

Yann Martel é um escritor desinspirado que encontra finalmente a história que precisa de contar numa viagem à Índia. Toma conhecimento da fantástica história de sobrevivência de Piscine Molitor Patel (nome de uma piscina francesa), abreviadamente Pi. A narrativa passa a ser contada na primeira pessoa por Pi, e o livro tem três partes distintas: na primeira, ficamos a par da infância/adolescência de Pi na Índia, quando a sua família era dona de um jardim zoológico e Pi descobriu a religião pela primeira vez; a segunda parte, a maior e central da história, relata o naufrágio do navio onde Pi e a família rumavam ao Canadá e a difícil luta pela sobrevivência que travou ao longo de meses; a terceira e última parte é a que dá todo o sentido ao que acabámos de ler.

Fiquei de pé atrás assim que li no início de livro que esta era uma história que faria o leitor acreditar em Deus. A religião não é, de todo, um tema do qual seja particularmente fã, e quando na primeira parte Pi discorre de forma algo detalhada sobre a religião cristã, muçulmana e hindu suspirei de aborrecimento, engonhei a leitura e pensei mesmo que ia ser uma espécie de suplício terminar o livro. Ainda bem que persisti, porque acabei por ser agradavelmente surpreendida. A segunda parte do livro tem momentos muito parados, alguns mesmo nojentos pela descrição dos extremos a que os instintos de sobrevivência podem levar o ser humano, mas a verdade é que fiquei agarrada ao livro, fascinada pelo correr do tempo, pelo desafio do lutar todos os dias para sobreviver, sem nunca desesperançar, apesar de tantas coisas correrem mal a Pi. Penso que aqui é de destacar o realismo com que Yann Martel descreve estes dias de suplício e o suceder de privações, fazendo o leitor ficar quase com a garganta seca e com o estômago a roncar quando descreve a sede e a fome que Pi tem de enfrentar.

Adorei a relação e a interação de Pi com Richard Parker, o “seu” tigre. Não só ao longo dos dias de naufrágio, mas também quando sabemos mais sobre o funcionamento do jardim zoológico no início do livro, o leitor vê-se perante uma série de factos fascinantes sobre a vida animal que oferecem, sem dúvida, toda uma nova perspetiva sobre a relação e interação entre o ser humano e os animais, mais ou menos selvagens.

Mas do que gostei mais neste livro foi mesmo da mensagem de esperança e do poder de acreditar. Não me revi em tudo aquilo em que a personagem acredita, mas é uma lição quanto à forma como se escolhe encarar a vida e as dificuldades que ela por vezes nos apresenta. Não me identifiquei muito com a personagem principal – penso que o início da história me dificultou um pouco esse processo – mas admirei-a pela força de viver e pela forma de encarar as contrariedades. Recomendo, portanto.

4/5 – Gostei Bastante


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.