Home / 3/5 / [Opinião] As Vantagens de Ser Introvertido, de Marti Olsen Laney

[Opinião] As Vantagens de Ser Introvertido, de Marti Olsen Laney

Autor: Marti Olsen Laney
Título Original: The Introvert Advantage: How to Thrive in an Extrovert World (2002)
Editora: Bizâncio
Páginas: 320
ISBN: 9789725302163
Tradutor: Jorge Lima
Origem: Comprado

Sinopse: «Entra em parafuso» quando há coisas demais a acontecer? 
Sente as suas energias restauradas quando passa algum tempo a sós? Nas reuniões é preciso que lhe perguntem as suas opiniões e ideias? Tende a reparar em detalhes que escapam à maioria das pessoas? A sua festa ideal é uma reunião de poucos amigos, mais do que uma grande celebração? Sente-se frequentemente como uma tartaruga rodeada de lebres por todos os lados? 

As boas notícias são que é um introvertido. As óptimas notícias são que, celebrando as forças interiores e a singularidade de se ser um «Intro», este livro mostra a todos os introvertidos, e aos extrovertidos que os amam, de que forma trabalhar com o seu temperamento, para apreciar melhor a vida, os relacionamentos, o convívio social, e os relacionamentos no local de trabalho. 

Encontrará neste livro estratégias para lidar com diversas situações, tácticas de gestão das suas energias, e centenas de sugestões valiosas, não apenas para sobreviver, mas para ser bem sucedido num mundo de extrovertidos. 

Opinião: Este livro já tinha sido publicado por cá em 2003, mas a sua reedição no mês passado e a opinião da Silent Raven deram-me a conhecê-lo e a ganhar interesse em lê-lo, tendo em conta o tema de que trata. 

Vivemos numa sociedade que valoriza mais as pessoas ativas, enérgicas, que gostam de estar constantemente rodeadas de outras pessoas em situações sociais de diversa índole. Se alguém dá mostras de gostar de um pouco de solidão e isolamento é quase de imediato rotulado de anti-social e infeliz e frequentemente pressionado para se adaptar aos comportamentos vistos como “normais” na sociedade. Na verdade, uma pessoa introvertida é, basicamente, alguém que vai buscar energias ao interior, necessitando por isso de mais tempo para si próprio. Muitas vezes, em situações sociais, um introvertido tem vontade de fugir dali e regressar para o seu cantinho – sentem-se esgotados pelas pessoas, pelos ambientes, pelas conversas. E isto não é um defeito, é apenas uma característica. É precisamente em volta desta ideia que este livro foi escrito.

A autora começa por explicar o que é um introvertido (conceito diferente de tímido, por exemplo), as suas características, diferenças em relação a pessoas extrovertidas e algumas explicações científicas a nível de genética que originam a introversão. Contudo, a maior parte do livro, cerca de dois terços, foca-se em fornecer estratégias e ferramentas para os introvertidos conseguirem mais facilmente viver num mundo que ainda os compreende mal. 

Julgo que a principal proeza deste livro é transmitir a ideia que não há qualquer problema em ser-se introvertido, que não é uma coisa má. Ser introvertido é como ter qualquer outra característica de personalidade. E aceitarmo-nos como somos é um passo importantíssimo na busca da felicidade. Já a secção de auto-ajuda tem algumas dicas interessantes, mas penso que serão mais úteis aos introvertidos que ainda lutam por compreender que nada de errado se passa com eles e que se sentem inadaptados. Esta parte, pessoalmente, não me trouxe nada de novo. Ainda assim, foi uma leitura interessante, que valeu pelo aprofundar de conhecimentos sobre esta característica da minha personalidade e pelo reconhecimento de várias situações com que lido no dia-a-dia. 

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.