Home / 3/5 / [Opinião] O Fim Chega Numa Manhã de Nevoeiro, de Renato Carreira

[Opinião] O Fim Chega Numa Manhã de Nevoeiro, de Renato Carreira

Autor: Renato Carreira
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 232
ISBN: 9789896373726
Origem: Recebido para crítica

Sinopse: Quando um grupo de feiticeiros renegados decide despertar uma personagem maldita da história portuguesa para cumprir uma profecia de séculos, Baltazar Mendes (investigador policial a quem acusaram de loucura!) vê-se envolvido contra sua vontade num conflito mortal em que nem todos os oponentes são humanos. Tudo dependerá de si porque, se a profecia se cumprir e o desejado regressar, o fim chegará numa manhã de nevoeiro. Uma aventura frenética, metade thriller, metade fantasia, que apresenta uma nova e talentosa voz do fantástico nacional. Acontecem coisas sinistras pelas ruas de Lisboa. Coisas que nos escapam ou que preferimos ignorar por falta de explicação. Também Baltazar Mendes as ignoraria, se pudesse, e talvez assim não se visse tristemente reduzido de inspector policial a sujeito compulsivo de uma avaliação psiquiátrica para determinar se é ou não um louco assolado por delírios mirabolantes eum perigo para a sociedade. Mas sabe bem que não são delírios. A culpa é do Sr. Salcedo, um investigador paranormal que insiste em arrastá-lo para um submundo de que não quer fazer parte. E tudo porque Baltazar tem um dom. Ou uma maldição…

Opinião: Baltazar Mendes é um polícia afastado da sua profissão de inspetor da polícia por alegados problemas mentais. No entanto, a verdade é que Baltazar se viu envolvido com vários seres sobrenaturais devido a uma característica muito particular – é imune ao sobrenatural. Não que um demónio, por exemplo, não lhe possa dar um murro que doa, mas não o consegue possuir. Assim, Baltazar não só acredita como sabe que os seres sobrenaturais – feiticeiros ou vampiros, por exemplo – existem, e mais: estas criaturas estão particularmente interessadas na sua particularidade e a envolvê-lo constantemente nos seus problemas.

Desta vez, um grupo de feiticeiros pertencentes ao chamado Terceiro Arcano Superior da Hispânia Ocidental vê-se perante a ameaça do renascer de um taumaturgo (um feiticeiro muito poderoso) com ligações muito particulares à história de Portugal e que espera há séculos que o despertem para recuperar o seu poder e conquistar o mundo. Esse grupo precisa da ajuda de Baltazar para ultrapassar uma série de condicionantes sobrenaturais que esta demanda apresenta e às quais não conseguem fazer face de outro modo. Baltazar vê-se, assim, envolvido numa série de acontecimentos que se sucedem a um ritmo frenético, com várias surpresas e reviravoltas pelo meio.

O livro é narrado na primeira pessoa por Baltazar, num tom bastante humorístico. Foi o que mais gostei e o aspeto do livro em que melhor senti a voz e a originalidade do autor. A ironia e o sarcasmo são as características mais particulares da personagem principal, juntamente com a sua coragem por vezes demasiado veemente. Penso que a personagem, e o livro como um todo, teria ganho com o seu maior desenvolvimento pessoal, aproveitando o facto de ser pela voz de Baltazar que o leitor acompanha as aventuras que o livro nos conta. Isto poderia ter sido feito, por exemplo, com mais explicações sobre o passado da personagem, mais introspeção ou mesmo a narração do início do seu envolvimento com os seres sobrenaturais.

Como já disse, o ritmo do livro é muito elevado, sempre com acontecimentos repletos de ação que conferem a este livro de fantasia urbana características de thriller. O mundo e os seres que aqui nos são apresentados estão relativamente bem retratados, de uma forma até um pouco caricatural, mas ainda assim fiquei com vontade de saber mais. A escolha da cidade de Lisboa como pano de fundo da história e a inclusão no enredo de algumas personagens da história de Portugal são, sem dúvida, pontos positivos e que ajudam o leitor a identificar-se melhor com a história. A nível de enredo, achei-o por vezes algo confuso e senti falta de um pouco de “ar” para respirar no meio de tanta ação.

Foi um livro divertido e uma leitura rápida e cheia de ação. Gostei que esta fantasia urbana tivesse lugar em Lisboa e que recuperasse mitos e personagens da nossa história, apesar de achar que poderia ter sido mais desenvolvida a nível de enredo e da caracterização da sua personagem principal. Ainda assim, uma leitura agradável.

Classificação: 3/5 – Gostei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.