Home / 3.5/5 / [Opinião] As Mentiras de Locke Lamora, de Scott Lynch

[Opinião] As Mentiras de Locke Lamora, de Scott Lynch

Autor: Scott Lynch
Título Original: The Lies of Locke Lamora (2006)
Série: Gentleman Bastard #1
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 537
ISBN: 9789896373375
Tradutor: Ana Mendes Lopes
Origem: Comprado

Sinopse: Diz-se que o Espinho de Camorr é um espadachim imbatível, um ladrão mestre, um amigo dos pobres, um fantasma que atravessa paredes. De constituição franzina e quase incapaz de pegar numa espada, Locke Lamora é, para mal dos seus pecados, o afamado Espinho. 
As suas melhores armas são a inteligência e manha à sua disposição. E embora seja verdade que Locke roube dos ricos (quem mais vale a pena roubar?), os pobres nunca vêem um tostão. Todos os ganhos destinam-se apenas a ele e ao seu bando de ladrões: os Cavalheiros Bastardos. O submundo caprichoso e colorido da antiga cidade de Camorr é o único lar que o bando conhece. Mas tudo vai mudar: uma guerra clandestina ameaça destruir a própria cidade e os jovens são lançados num jogo de assassinos e traidores onde terão de lutar desesperadamente pelas suas vidas. Será que, desta vez, as mentiras de Locke Lamora serão suficientes?

Opinião: Camorr é uma cidade imaginária que faz lembrar Veneza, há alguns séculos atrás. É lá que vive Locke Lamora e o seu grupo de ladrões, os Cavalheiros Bastardos. Locke é um órfão que, desde muito cedo, se destacou pela sua capacidade de inventar estratagemas, improvisar e arranjar confusões e conseguir sempre safar-se, pelo que foi com naturalidade que abraçou a carreira de ladrão. Para isso, contou com a ajuda de Chains, um falso padre que o “formou” nas artes da roubo e do disfarce. 

É com um daqueles estratagemas que a história se inicia, familiarizando o leitor com a forma como Locke e o seu grupo trabalham. Contudo, desta vez, o esquema rebuscado vai envolver Locke e companhia em jogadas mais arriscadas e em intrigas políticas e lutas pelo poder que se travam em Camorr, sendo o mote para o início de várias aventuras e de um enredo cheio de reviravoltas. Entretanto, no final de cada capítulo são incluídos “Interlúdios”, que servem para conhecermos melhor o percurso de Locke e dos seus amigos, bem como contextualizar o mundo criado pelo autor.

É sem dúvida um livro bem escrito, com bastantes (e bem humorados) diálogos e com um enredo dinâmico, que por vezes sai um pouco prejudicado pelo tom descritivo de vários dos interlúdios. Fiquei fascinada com alguns conceitos e curiosa para saber mais sobre a história e mitologia daquele mundo. O enredo, na minha opinião, tem alguns altos e baixos. Tem secções verdadeiramente interessantes e empolgantes, mas por vezes parece ser um pouco inconsequente. Gostei das personagens, de um modo geral, mas não consegui encontrar em Locke muita coisa que realmente me fascinasse; achei algumas personagens secundárias mais cativantes, como Jean ou Dona Vorchenza. Penso que o livro teria ganho com uma maior exploração interior da sua personagem principal e com mais informações sobre o seu passado.

Foi uma boa leitura, mas esperava que me cativasse mais. Acabei por demorar mais do que o previsto a terminá-lo porque nem sempre conseguiu despertar o meu interesse. Ainda assim, penso que é um bom livro, e por isso recomendo a sua leitura.

Classificação: 3,5/5


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.