Home / 3/5 / [Opinião] Os Dilemas do Assassino, de Robin Hobb

[Opinião] Os Dilemas do Assassino, de Robin Hobb

Autor: Robin Hobb
Título Original: Golden Fool (2002) – 1.ª metade
Série: Regresso do Assassino #2, Tawny Man #2.1 | Realms of the Elderlings #8.1
Editora: Saída de Emergência
Páginas: 364
ISBN: 9789896373535
Tradutor: Jorge Candeias
Origem: Comprado

Sinopse: Depois de salvar o príncipe das garras dos pigarços e de sofrer a mais devastadora perda possível ao fazê-lo, o lendário assassino regressa ao lugar a que em tempos chamou lar. Aí, esperam-no dias difíceis de adaptação, mas também o esperam oportunidades, velhos e novos amigos e até um filho adolescente. E espera-o também um príncipe, do seu sangue sem que o saiba, dotado com as magias desse sangue mas sem conhecimentos para lidar com elas, e prometido a uma princesa estrangeira. Como irá Fitz lidar com todos os desafios que o aguardam em Torre do Cervo? Que soluções encontrará para os seus dilemas?

Opinião: Depois de ter gostado bastante do 1.º volume desta nova série de Robin Hobb, foi com muita curiosidade que comecei a leitura da continuação, Os Dilemas do Assassino, que corresponde à 1.ª metade do 2.º volume original. Nunca me opus à decisão da editora de dividir os livros, e continuo a não me importar muito, mas penso que de todos os livros divididos que publicaram desta escritora, este foi o que sofreu mais com esse facto.

O livro segue praticamente de imediato o final do livro anterior e apresenta-nos o protagonista, Fitz, de novo em Torre do Cervo, onde passou a sua infância, com o objetivo de ensinar a utilização do Talento ao Príncipe Respeitador a ajudar os seus velhos amigos face às intrigas e ameaças que pairam sobre a corte. No entanto, este regresso traz consigo o reavivar de antigas recordações de tempos mais felizes para Fitz, originando uma constante luta interior entre o que ele acha que deve fazer e aquilo que realmente deseja.

O enredo gira, assim, em torno de dois pontos essenciais: os dilemas pessoais de Fitz e a precária paz política nos Seis Ducados, permanentemente ameaçada pelas ambições e diferenças que existem entre eles. A nível pessoal, Fitz depara-se com problemas quanto ao rumo que Zar, o seu filho adotivo, decide tomar, e ao mesmo tempo lida com a complicada relação com Gina; na corte, o noivado do Príncipe Respeitador com uma princesa das Ilhas acaba por se revelar mais problemático do que parecia à primeira vista, enquanto que velhas rivalidades entre Ducados regressam e batem à porta da Rainha Kettricken. A acrescentar a isto, continua a pairar a ameaça dos Pigarços sobre Fitz e ficamos a saber um pouco mais sobre toda a história que envolve os dragões.

Como disse no início, penso que a divisão do livro original em dois prejudica um pouco esta primeira metade, onde se nota em particular alguma lentidão no avançar da narrativa. O estilo da autora é mesmo esse e eu tolero-o bem e até gosto, mas aqui houve vários momentos em que achei que o enredo se arrastava em demasia e sem necessidade. Os diálogos, contudo, continuam excelentes. Na minha opinião, a parte mais emocionante vem apenas no final, com a perspetiva de uma demanda interessante que deveremos presenciar no próximo volume. A continuação deste livro (2.ª metade do original Golden Fool) está prevista para o mês de Outubro. 

Classificação: 3/5 – Gostei 


Sobre Célia

Tenho 36 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.