Home / 5/5 / [Opinião] Um Crime no Expresso do Oriente, de Agatha Christie

[Opinião] Um Crime no Expresso do Oriente, de Agatha Christie

Autor: Agatha Christie
Título Original: Murder on the Orient Express (1934)
Editora: RBA Coleccionables
Páginas: 236
ISBN: 9788447359011
Tradutor: Alberto Gomes

Sinopse: Em pleno Inverno, Poirot encontra-se em Istambul, decidido a tomar o Expresso do Oriente. Depois de uma noite mal passada, a sua tranquilidade é perturbada quando uma tempestade de neve obriga o comboio a parar e aparece o cadáver de um passageiro brutalmente apunhalado.

 

Opinião: Motivado por quem a leu e só lhe tem guardado enormes e positivos elogios, não resisti muito tempo e li avidamente, como só devem ser lidos os livros dela, o meu primeiro livro da Agatha Christie, o belíssimo Um Crime no Expresso do Oriente.

 

Há algum tempo, andei entusiasmado pelas histórias policiais de Sherlock Holmes, histórias essas a que tenho de regressar brevemente. Acho que ler policiais entretém bastante e é quase sempre garantia de boa leitura, pelo menos os livros mais clássicos, já que nos últimos anos tem vindo a proliferar o policial estilo Dan Brown, o qual não aprecio minimamente.

 

Quando peguei no livro da Agatha Christie recordei esse mesmo entusiasmo que tive aquando da leitura dos livros de Conan Doyle; também aprecio os policiais de Edgar Allan Poe, embora sejam um estilo diferente destes dois escritores. Reconheci a história que envolve misteriosamente o leitor, levando-o a querer saltar linhas e capítulos apenas para descobrir o desenlace final.

 

A sinopse deste livro é por demais conhecida: Hercule Poirot vai-se confrontar, na altura em que menos queria, com um assassinato no famoso comboio Expresso do Oriente, tornando-se a sua nova missão tentar desvendar o assassino. Existe uma coisa curiosa neste livro, temos quase sempre a sensação de que Poirot já sabe quem é o assassino, mas, e aqui vê-se a genialidade da autora, nunca conseguimos imaginar quem o seja, nem o próprio Poirot insinua qualquer coisa, ficando o leitor sempre com a sensação de que o “caso” está nas melhores mãos; implicitamente, a autora quase nos convida a confiar nos instintos do detective.

 

O livro está dividido em 3 partes: os factos, no qual vamos conhecendo o que aconteceu, os depoimentos, onde a autora nos convida a adivinharmos o assassino e depois a conclusão final, que nos surpreende, tudo isto com uma escrita simples e sem reviravoltas. Aqui nenhuma palavra está mal escrita e não existe espaço para o verbo “encher”, como vemos em muitos outros livros do género. Por algum motivo este livro é um verdadeiro clássico, a sua qualidade intemporal leva a ser considerado dos livros mais importantes na história da literatura, ficando o leitor com vontade de voltar a ler livros da mesma escritora. – Ricardo

 

Classificação: 5/5 – Adorei


Sobre Célia

Tenho 37 anos e adoro ler desde que me conheço. O blogue Estante de Livros foi criado em Julho de 2007, e nasceu da minha vontade de partilhar as opiniões sobre o que ia lendo. Gosto de ler muitos géneros diferentes. Alguns dos favoritos são fantasia, romances históricos, policiais/thrillers e não-ficção.